Páginas

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O PRÓXIMO BENTO 16

Silvio Prado, professor

Bento 16 marcou renúncia para o dia ultimo dia de fevereiro, 28. Alega o papa não ter mais saúde e nem resistência para estar à frente de uma organização tão imensa, poderosa e conflituosa como a Igreja Católica.

Bento 16, na verdade ocupa a condição de papa desde muito antes da morte de João Paulo II. Foi ele o principal teólogo de João Paulo II e também diretamente responsável pelos rumos conservadores daquele pontificado, entre eles o esmagamento das correntes de pensamento católico originários da Teologia da Libertação.

Leonardo Boff, ex-frei e um dos principais teólogos da Libertação, conheceu de perto o poder repressivo e conservador do Vaticano, encarnado na figura do então cardeal Ratzinger (hoje papa Bento 16),agindo em consonância com João Paulo.

O Vaticano tudo fez para anular o poder do catolicismo popular amparado nos conceitos da Teologia da Libertação. Essa igreja popular, no Brasil principalmente, teve uma participação ativa na derrubada da Ditadura Militar e na organização dos movimentos dos trabalhadores urbanos e rurais. O PT, como partido, e o MST, como movimento pela reforma agrária, receberam muita influencia dessa ala progressista que o Vaticano reprimiu o quanto pode.

Visitando a Nicarágua, na década de 80, João Paulo II fez críticas públicas ao governo sandinista daquele país e aconselhou os religiosos católicos que se retirassem daquele governo de caráter popular, um pronunciamento que agradou em muito o governo norte-americano, naquele momento em guerra aberta e declarada contra o governo nicaraguense.

O rolo compressor montado no Vaticano esfacelou as Comunidades Eclesiais de Base, no Brasil e em toda a América Latina, e abriu espaço para o surgimento e fortalecimento de movimentos carismáticos conservadores no mundo inteiro, inclusive no Brasil com o fenômeno da Canção Nova.

Na verdade, Bento 16 não deve mesmo ter muita saúde e resistência para suportar o que muitos cardeais e bispos andam aprontando com a Igreja Católica, inclusive dentro do próprio Vaticano.

Se o Vaticano conseguiu esmagar uma igreja de caráter popular no Terceiro Mundo, a mesma força ele não teve para esmagar o conjunto de cardeais e bispos mafiosos que atuam sob o nariz do próprio papa e causam ao pontífice constrangimentos a toda hora.

Nos últimos anos, notícias de corrupção e crime colocam a Igreja na mesma condição de governantes de Estados do mundo inteiro que aparecem em manchetes de suborno, relação com o crime organizado, lavagem de dinheiro, chantagem de todo tipo e até assassinatos. Uma verdadeira máfia atua dentro do Vaticano, afirmam inúmeros conhecedores e estudiosos dos meandros e labirintos da Igreja Católica. Conhecedor profundo do Vaticano e das forças que se digladiam dentro dele, não há dúvida que, impotente, o papa se vê não só sem saúde, mas também sem condições políticas de enfrentar cardeais e bispos mafiosos.

Porém, como futuro ex-papa, Bento 16 não estará fora da trama que escolherá um novo papa. Certamente, com todo o seu poder e mesmo sem o direito de votar, ele ajudará a escolher um novo mandatário para o catolicismo. No entanto, se depender dele seu sucessor não será nenhum “revolucionário” identificado com as questões que causam abalos nos conservadores, como a questão das células tronco, casamento de padres, direito de celebração e igualdade para as mulheres dentro da igreja.

Só quem acredita em milagres não verá outro Bento 16, com outro nome, outro rosto, repetindo o que foi feito nos últimos trinta anos, ou seja, conduzindo o catolicismo na direção da perpetuação do conservadorismo.

Esta e outras informações você encontra em nossa fã page.