Páginas

domingo, 3 de março de 2013

9 CIDADES

Celso Brum, sociólogo e professor

Fiquei rouco de falar e com calos nos dedos de escrever, que as cidades – para as grandes obras necessárias – precisam de recursos, além daqueles de seus próprios orçamentos. Disse e repeti muitas vezes que o orçamento municipal é comprometido. Só para relembrar: com boa, muita boa, ótima e excelente gestão, um prefeito consegue, se conseguir, gastar uns 54% do orçamento com o funcionalismo; 42% do orçamento estão “carimbados” para educação e saúde; sobram, portanto, 4% para manutenção e investimentos. Diz-se que, com 4%, vai dar para capinar o mato e tampar os buracos.

Com essa realidade, o prefeito que chega, se for da oposição ao anterior, vai logo dizendo que o orçamento que recebeu não foi ele que fez, que veículos e máquinas estão sucateados, que há excesso de funcionalismo, etc., etc. e etc., enfim, uma choradeira para convencer os tolos: esse filme eu já vi muitas vezes, não aguento mais. E qual a primeira medida anunciada pelo novo gestor? Dispensa de funcionários. Esse filme também estou cansado de ver. Depois com o tempo, vão sendo contratados os amigos e os indicados pelos amigos. Também já vi esse filme.

Quando a gente fala, antes das eleições, que funcionários serão dispensados alguns áulicos de plantão dizem que não é bem assim e logo o candidato a Prefeito declara e garante o emprego de todos e que todos podem ficar tranquilos e, principalmente, que podem (!) votar nele, porque ele é bonzinho, bonzinho.

E quando a gente fala que são necessários recursos, além daqueles do orçamento municipal, o então candidato convence os tolos dizendo que uma boa gestão resolve todos os problemas.

Passadas as eleições, vem a realidade, o Prefeito toma as medidas que jurou não tomar, mas os tolos continuam tolos e nada, nem os números frios, conseguem demovê-los de sua palermice, que Deus tenha pena desses mocorongos. Este meu artigo não é para eles, não perderia o meu tempo tão inutilmente.

Quero chamar a atenção dos meus caros, raros, fieis e inteligentes leitores para uma realidade política que se apresenta nos próximos dois anos, até as eleições de 2014, coisa muito interessante.

Com os resultados das eleições de 2012, o PT e os partidos governistas se fortaleceram e PSDB, DEM e PPS continuaram sua caminhada para o inevitável declínio, no caso do DEM e do PPS, para a inexorável extinção.

O PT elegeu o Prefeito da principal cidade do país, São Paulo. Com isso, fortaleceu-se para a eleição ao governo do estado. Não será fácil ganhar do atual governador Geraldo Alckmin, que é “cool” e “clean”, conforme gosta tanto o eleitorado paulista. Mas, não tenham dúvida, cresceram as chances do PT, que também terá um candidato “cool” e “clean”. E, além de “cool” e “clean”, com certeza, não será inodoro, insípido e incolor como o atual governador do estado de São Paulo.

Quanto à presidência da república, Dilma Rousseff ganhará no 1º turno, não sou eu que digo,  são as pesquisas que atestam. Ganhará com autoridade e brilho.

Nesse tempo que resta para as eleições de 2014, partidos e candidatos usarão todos os seus recursos, tendo em vista a obtenção dos melhores resultados possíveis e imagináveis. Ganhar no estado de São Paulo é absolutamente fundamental para a sobrevivência do PSDB e para a afirmação do PT. É, pois, no estado de São Paulo que se dará a batalha política decisiva.

É de se esperar que o estado de São Paulo seja agraciado com o interesse e os generosos recursos federais. A cidade de São Paulo será a principal vitrine do PT, na sua luta para ganhar o governo do estado. Mas, também as cidades do interior governadas pelo PT, deverão obter abundantes recursos para as grandes obras necessárias. Essas cidades também deverão funcionar como vitrines eleitorais e seus habitantes serão consequentemente beneficiados.

No Vale do Paraíba, o PT tinha duas prefeituras. Hoje, tem 9 prefeituras: o povo de São José dos Campos elegeu o candidato do PT; o povo de Jacareí elegeu o candidato do PT; o povo de Ubatuba elegeu o candidato do PT; o povo de Santo Antônio do Pinhal elegeu o candidato do PT; o povo de Cachoeira Paulista elegeu o candidato do PT; o povo de Roseira elegeu o candidato do PT; o povo de Santa Branca elegeu o candidato do PT; o povo de Piquete elegeu o candidato do PT; e o povo de Lavrinhas elegeu o candidato do PT.

As prefeituras de São José dos Campos, Jacareí, Ubatuba, Santo Antonio do Pinhal, Cachoeira Paulista, Roseira, Santa Branca, Piquete e Lavrinhas deverão absorver a maior parte dos recursos federais disponíveis para a região. Uma outra parte estará à disposição de Prefeitos de outros partidos da base governista. Os Prefeitos de todas essas cidades deverão lutar, com unhas e dentes, para garantir a exclusividade no acesso aos recursos federais. Argumentarão que o povo fez suas escolhas e quem resolveu ser contra o governo federal, não tem do que reclamar, se ficar de fora.

No mais, Democracia é assim: todos votam, até mesmo os tolos. E se os tolos forem maioria, escolhas tolas serão feitas. E quando a tolice é grande, só nos restará implorar a Deus que tenha piedade de nós.