Páginas

domingo, 3 de março de 2013

REMÉDIO DE GRAÇA, SEM DEMAGOGIA

Quem necessita de remédios caríssimos, como eu, para tratamento de diabetes e hipertensão, não precisa recorrer a vereador para furar fila e, depois, agradecer publicamente o nobre edil pela facilitação.

É desonesto o cidadão que recorre a este expediente para ganhar o remédio que lhe é devido pelos poderes públicos, bem como é desonesto o vereador que se propõe a oferecer esta facilidade ao doente.

Tomo seis tipos de medicamentos, alguns mais de uma vez por dia: Ticagrelor, Losartana Potássica 50 mg, Carvedilol 12,5 mg, Espironolactona 25 mg, Furosemida 40 mg e Sinvastatina 20 mg, todos para o coração e a hipertensão.

Estes medicamentos os diabéticos e os hipertensos ganham de graça, sem a
 interferência demagógica de vereadores espertalhões. Procure a Defensoria Pública
Para o diabetes tomo dois tipos de insulina injetáveis: Levemir (25 unidades pela manhã e 11 à noite) e Novo Rapid (7 unidades antes do almoço, 7 antes do jantar e pelo menos 3 unidades no café da manhã).

Somente as duas insulinas e o Ticagrelor, que compro com 50% de desconto dado pelo laboratório, mais as fitas usadas para medir minha glicemia, me custariam cerca de R$ 850,00 por mês, se pudesse pagar.

Somados os demais medicamentos, a conta passa dos R$ 1 mil por mês.

Teria como tirar dinheiro de minha aposentadoria para custear tantos e tão caros medicamentos? Não! O que eu fiz? Furei fila? Não!

Simples: recorri à Defensoria Pública de Taubaté, na Praça Coronel Vitoriano (quase na esquina da Avenida Marechal Deodoro com a Rua José Vicente de Barros), e cadastrei minhas receitas médicas.

A Defensoria Pública cuidou de preparar o processo e acionar a Justiça para que os remédios prescritos fossem fornecidos gratuitamente pelos poderes públicos.

Hoje, as duas insulinas que tomo e o Ticagrelor, os mais caros, são fornecidos gratuitamente pelo Estado. Os demais medicamentos e os apetrechos para medir a glicemia recebo da Prefeitura.

Tudo por ordem judicial, ao alcance de qualquer cidadão, sem interferência política de ninguém. Não preciso, portanto, agradecer ao vereador especialista em conseguir remédios furando fila.

Esperto é quem não precisa recorrer a vereador para conseguir o que é seu direito nem alimenta a indústria que elege políticos demagogos, que deveriam ocupar as tribunas para defender a melhora no sistema de saúde em geral.

Você pode obter seu remédio de graça, sem demagogia. É um direito seu. E não fica em dívida com o vereador que teoricamente facilitou sua vida.

Do vereador você deve cobrar ações que cabem ao vereador: fiscalizar o Poder Executivo, examinar as contas públicas e o cumprimento fiel da legislação nas áreas da educação e da saúde, tendo como mantra a Lei de Responsabilidade Fiscal.

O resto são filigranas e demagogia barata. Um filão para os maus políticos.

Está precisando de remédio? Procure a Defensoria Pública. Eles cuidarão de seu caso competentemente e resolverão suas agruras econômicas, sem demagogia nem interferência política.

ESTA E OUTRAS INFORMAÇÕES VOCÊ ENCONTRA EM NOSSA FÃ PAGE.