Páginas

domingo, 14 de abril de 2013

CARTA PÚBLICA DOS
FUNCIONÁRIOS DA FUST

O futuro ex-prefeito de Taubaté, na campanha eleitoral, prometeu que o Hospital Universitário seria mais bem administrado, ampliado e receberia toda a atenção do governo do Estado. Chegou a usar a figura do governador tucano Geraldo Alckmin para convencer os incautos taubateanos.

Cem dias depois de 1ª de janeiro, Taubaté continua sem governo.

Tudo o que este governo de mentira fez foi acabar com o serviço de oftalmologia do Hospital Universitário, sem contar a demissão de médicos e enfermeiros para recontratá-los individualmente, como empresas.

Sabe como?

Médicos interessados em trabalhar no Hospital Universitário são obrigados a abrir uma empresa individual, com CNPJ e tudo.

Os que tiverem a sorte de ser contratados, perdem o direito a férias, 13º salário, FGTS, horas extras e outros benefícios próprios de quem tem vínculo empregatício.

A Câmara impediu que as OS (organizações sociais) assumissem o controle da saúde, mas o golpe foi consumado com a parceria da Prefeitura e o São Camilo, que não é uma OS.

Os tentáculos do São Camilo estão no Hospital Universitário e no Hospital Regional. Dos dois hospitais profissionais foram demitidos, sem reposição.

O futuro ex-prefeito Ortiz Júnior trocou uma despesa anual de cerca de R$ 600 mil com a Fust por outra que pode chegar a R$ 8 milhões anuais com a (falida) Unimd.

Taubaté está sendo vendida por fatias.

É uma c... atrás da outra.

Cassação já!

Abaixo, a carta dos funcionários da Fust

Nós, funcionários da Fundação Universitária de Saúde de Taubaté, admitidos através de CONCURSO PÚBLICO, conforme exigência do Ministério Público, vimos expor a situação que estamos vivenciando nesse momento:

Em data de 02/03/2013 a Sra. Sandra Tutihashi, representante da DRS (Delegacia Regional de Saúde), através da mídia informou a população taubateana que a partir de 05/03/12 o Hospital Universitário de Taubaté seria administrado pela Sociedade Beneficente São Camilo.

A partir desta data, todas as informações que NÓS, FUNCIONÁRIOS DA FUST, que administra o Hospital Universitário de Saúde, tomamos conhecimento foi exclusivamente pela IMPRENSA ESCRITA E FALADA. Nunca houve uma explicação, nem tampouco nunca fomos questionados como funcionários o que opinávamos sobre a Integração do HRVP e HUT.

Na semana de 25 a 28/03/13 presenciamos a mudança do Diretor Presidente da FUST para um novo endereço e, mais uma vez, não fomos comunicado.

No dia 28/03/13 o Diretor Presidente da FUST reuniu os chefes de serviços e comunicou que estava se retirando das dependências físicas da FUST e que a partir de 01/04/13 o Hospital Universitário seria administrado pela Sociedade Beneficente São Camilo.

Nessa mesma reunião foi entregue para chefe de Setor uma lista com o nome dos funcionários que deveriam ser demitidos e que deveriam ficar em suas casas até serem chamados para a rescisão contratual.

Então a partir de 00 hora de 01/04/2013 os integrantes da Sociedade Beneficente São Camilo assumiram efetivamente a direção do HUT, acompanhados de vários funcionários nas áreas de coordenação para administrar o referido Hospital.

Aos funcionários concursados da FUST restou presenciar funcionários do São Camilo assumindo os postos de liderança da FUST e, NENHUMA INFORMAÇÃO SOBRE O QUE ESTAVA OCORRENDO FOI PASSADA AOS FUNCIONÁRIOS, nem por parte da UNITAU, nem pela FUST, nem pelo Governo e muito menos pela Sociedade Beneficente São Camilo.

Em data de 10/04/2013, a nova direção do HUT convocou os chefes de serviços, a maioria do próprio São Camilo, para uma reunião onde foram expostas as reformas a serem realizadas e como fica a relação trabalhista dos funcionários da FUST.

Os 480 funcionários da FUST que se encontram no HUT, foram CEDIDOS pela Universidade de Taubaté através de portaria para a Secretaria de Estado de São Paulo, e esta ultima por sua vez EMPRESTOU os “FUNCIONARIOS” para prestarem serviços no HUT, sob a direção do São Camilo, usando uniformes, cumprindo ordens e toda rotina do mesmo apenas com um diferencial:

O SALARIO CONTINUA O MESMO, OU SEJA, SALARIO MINIMO E NEM É O SALARIO PISO DO ESTADO DE SÃO PAULO, INCLUSIVE TEREMOS COLEGAS DE TRABALHOS ADMITIDOS PELO SÃO CAMILO EXERCENDO O MESMO SERVIÇO QUE NÓS, MAS, RECEBENDO OUTRO SALARIO QUE COM CERTEZA É BEM MAIOR QUE O PAGO PELA FUST A SEUS FUNCIONARIOS.

Desde 2006, quando a Promotoria Publica exigiu que todos os funcionários da FUST - Fundação Universitária de Saúde de Taubaté, só fossem admitidos através de CONCURSO PUBLICO, os funcionários dessa Instituição só tem sido prejudicados e desrespeitados em seus direitos trabalhistas, tanto que todos os funcionários tiveram que prestar a PROVA DO CONCURSO PÚBLICO e, os que foram aprovados tiveram que pedir demissão de seus cargos, abrirem mão de todos os seus direitos trabalhistas para assumirem os seus cargos sendo que todos foram registrados como AUXILIAR ADMINISTRATIVO, COM O SALARIO MINIMO e, quem tinha cargo de chefia continuou no mesmo através de PORTARIA nomeando “CARGO PUBLICO COMISSIONADO”.

Os funcionários que não tiveram bom desempenho na Prova do Concurso Público foram DESLIGADOS, sem os seus direitos trabalhistas respeitados, inclusive alguns com mais de 20 (vinte) anos totalmente dedicados ao cumprimento de suas obrigações com o Hospital Universitário de Taubaté.

E agora, mais uma vez nos defrontamos com a continuidade de atitudes desrespeitosas por parte da Universidade de Taubaté e do Conselho de Curadores que administram a Fundação Universitária de Saúde, pois todos os médicos da Instituição foram sumariamente “DESLIGADOS” através de “CARTA”. Não foi levado em consideração o respeito e a dedicação de tantos profissionais que desde que se tornaram “MEDICOS” viveram exclusivamente para o atendimento de pacientes do Sistema SUS, temos caso de Doutores que nunca tiveram “Consultórios Particulares”, apenas dedicando todo o seu tempo aos menos favorecidos.

E, quanto a nós outros profissionais que fomos “EMPRESTADOS”, nos sentimos como cabeça de gado e não como profissionais da saúde.

Vale ressaltar que a Universidade de Taubaté não nos dá nem o direito de pedirmos demissão de nosso emprego para procurarmos outra oportunidade de trabalho mais digno, pois a maioria dos funcionários tem “BOLSA DE ESTUDOS”, muitos já se graduaram, outros ainda estão estudando e conforme o Regulamento de Cessão de Bolsas de Estudos, o profissional que se utilizar desse direito adquirido “É OBRIGADO A FICAR TRABALHANDO PELO MESMO PERIODO DE ESTUDOS” ou tem que assumir a dívida integral do curso.

Outrossim, temos conhecimento que se formos “DEMITIDOS’, a dívida é quitada, portanto nada mais sendo devido a titulo de Estudos a universidade.

Como podem ver estamos amarrados à UNITAU/FUST, sendo claro que a Universidade de Taubaté usou os funcionários da FUST como “MOEDA DE TROCA’ nas negociações com o Estado, caracterizando “EXPLORAÇÃO DE MÃO DE OBRA BARATA’ só não é TRABALHO ESCRAVO, pois recebemos como paga por mais de 10 horas diárias de trabalho árduo, convivendo com pacientes acometidos de diversas moléstias, exatamente “SALÁRIO MÍNIMO” e naturalmente com todos os descontos legais tais como: INSS, Vale Transporte, Refeição, Seguro Obrigatório e até Desconto Sindical só que não temos REPRESENTATIVIDADE SINDICAL, NÃO TEMOS NENHUMA ENTIDADE, SINDICATO, FRENTE PARLAMENTAR que defenda os Funcionários da Fundação Universitária de Saúde.

Estamos presenciando o desrespeito a “CONSTITUIÇÃO FEDERAL conforme abaixo discriminamos:

ART. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza...
XXXIII- Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral.

Direitos humanos

ART XXIII
2 Toda pessoa,sem qualquer  distinção,tem direito a igual renumeração por igual trabalho.

3 Toda  pessoa que trabalhe tem direito a uma renumeração justa e satisfatória,que lhe assegure,assim como à sua família,uma exigência compatível com a dignidade humana,e a  que se acrescentarão,se necessário,outros meios de proteção social.

ART XXV
1 Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar,inclusive alimentação,vestuário,habitação,cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis,e direito à segurança em caso de desemprego,doença, invalidez,viuvez,velhice ou outros casos de perda dos meios  de subsistência fora de seu controle.

Como puderam verificar essa Integração entre o Hospital Regional e o Hospital Universitário de Taubaté, só trouxe angustia, instabilidade emocional e insegurança aos FUNCIONÁRIOS CONCURSADOS DA FUST, pois as vezes não sabemos profissionalmente para quem trabalhamos:

ADMITIDOS POR CONCURSO PUBLICO
REGISTRADOS NA FUST – FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE TAUBATÉ
CEDIDOS PARA A SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO
EMPRESTADOS PARA A SOCIEDADE BENEFICENTE SÃO CAMILO
CUMPRIREMOS ORDENS, USAREMOS UNIFORME, DO SÃO CAMILO
RECEBEREMOS SALARIO MINIMO
TRABALHAREMOS AO LADO DE FUNCIONARIOS CONTRATADOS DO SÃO CAMILO FAZENDO O MESMO SERVIÇO QUE NÓS, COM UM DIFERENCIAL: SALARIO.

Ontem da 11/04/13 foi protocolado na Universidade de Taubaté, um documento acompanhado de um abaixo assinado dos funcionários da FUST, com cópia para o Ministério Público, solicitando uma via do DOCUMENTO DE CESSÃO DA MÃO DE OBRA DA FUST para o Estado e qual não foi nossa surpresa quando hoje fomos retirara nossa solicitação fomos informado pela funcionaria da Unitau que tinha sido aberto um “EXPEDIENTE’, somente isso, nossa solicitação não foi atendida.

QUAL SERA O DESTINO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUST?