Páginas

sexta-feira, 26 de abril de 2013

MÁFIA AMARELA INVADE SINDICATO
DOS METALÚRGICOS DE TAUBATÉ

Qualquer sindicalista minimamente informado sabe que a Máfia dominava os sindicatos americanos nos anos 1930. Também sabe que, no Brasil, o esquema sindical sempre foi dominado por políticos, sobrando pouco espaço de manobra para os verdadeiros donos dos sindicatos, os trabalhadores.

Nos final dos anos 1970, a partir da deflagração da greve de funcionários da Cobrasma, em Osasco, e dos metalúrgicos do ABC, a relação capital/trabalho mudou substancialmente. Os trabalhadores se mobiliaram para atual politicamente, criaram o PT (Partido dos Trabalhadores) e elegeram um presidente da República.

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) foi a primeira central sindical criada a partir do movimento operário do ABC, sob a liderança de Lula. Além dos vários sindicatos dos metalúrgicos espalhados pelo território nacional, os bancários, os professores e os químicos também cerraram fileiras em torno da CUT para combater a exploração patronal e então.

Taubaté, com um belo parque industrial e milhares de metalúrgicos tem um Sindicato forte e desejado por quem deseja liderar os trabalhadores do setor. A oposição é saudável e bem vinda, quando é feita com seriedade.

Não é o que está acontecendo em Taubaté.

Talvez pela primeira vez na história dos trabalhadores desta urbe quase quatrocentona o poder político tenta influir na escolha do metalúrgicos que escolherão, nas eleições que se avizinham, seu próximo presidente.

O ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Walmir M\arques – Biro Biro, deve se candidatar a presidente do sindicato da categoria e oposição a Isaac do Carmo.

Estaria tudo perfeito e na mais absoluta normalidade não fosse por um pequeno detalhe: Biro Biro, na eleição municipal do ano passado, trabalhou abertamente para o tucano Ortiz Júnior, o candidato vencedor das eleições de 2012 e réu na 14ª Vara da Fazenda Pública da Capital, onde responde por improbidade administrativa.

É possível provar a ingerência de Ortiz Júnior nas eleições sindicais? Em tese sim.

O próprio Biro Biro teria dito em uma reunião de diretoria do Sindicato o ano passado que Ortiz Júnior (PSDB) o convidou para ocupar uma secretaria ligada ao trabalho na Prefeitura Municipal. Outro diretor sindical, de nome Laurentino (Lau) também trabalhou pela eleição do tucano.

O vereador Paulo Miranda (PP), da base aliada do governo municipal, teria sido avistado em portas de fábricas fazendo panfletagem ou oferecendo proteção à oposição sindical.

Uma flagrante ilegalidade!

Paulo Miranda foge de suas funções legislativas para se imiscuir em eleição sindical.

O vereador conquistou a fama de competente e duro em seu trabalho. É respeitado e temido até hoje na periferia da cidade.

O trabalhador deve ficar atento porque a eleição para a escolha do uturo presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté é uma extensão da eleição municipal de 2012.

Deu lado Isaac do Carmo, com a força do PT e da CUT.

Do outro lado deve lutar um candidato apoiado pelo PSDB e, quem sabe, pela Força Sindical.

Não se trata de uma eleição de trabalhadores. Trata-se de uma eleição política.

Ortiz Júnior pretende sufocar o PT para acabar com a oposição na cidade, nem que para isso precise da ajuda de sindicalistas que deveriam defender os trablhadores e não interesses próprios.