Páginas

domingo, 28 de abril de 2013

QUEBRANDO O SILÊNCIO

Fabrício Peres, professor

Desde que o companheiro Irani Lima me convidou para contribuir com o seu Blog tenho pensado em como iniciar essa contribuição, pois penso que o ato de escrever não depende de mera força de vontade ou intencionalidade, depende da capacidade de transformar ideias em palavras escritas e, nesse caso específico, nossas convicções.

Primeiramente gostaria de agradecer pelo convite e destacar os motivos pelos quais me sinto muito feliz por essa oportunidade.

Há poucas semanas escrevi um texto sobre a “Crise Silenciosa” pela qual passamos e posso afirmar que esse blog é uma das poucas manifestações autênticas que atenuam as minhas aflições.

Embora nem sempre concorde com os pontos de vista dos autores dos textos e por vezes com o próprio Irani, vejo seu enorme esforço em manter a liberdade de expressão e a independência desse popular e democrático meio de comunicação.

O jornalista Irani, mesmo depois dos momentos difíceis do ano passado, não se entregou e deu continuidade a uma rotina incansável de críticas e opiniões, enfrentando muitas vezes grupos que variam entre a má fé e a mediocridade, que tentam por todos os meios sangrar os poucos corajosos que continuam zelando pela pouca liberdade de expressão, que ainda existe.

Talvez nesse momento alguém me pergunte: Temos pouca liberdade de expressão? Mas não vivemos em um país democrático?

Sem relutar eu digo que sim, vivemos em um país democrático, mas temos pouca liberdade de expressão, pois seja pelas vias legais ou ilegais muitos grupos compram e vendem sem peso na consciência a liberdade de expressão, sabotando arrogantemente a imparcialidade que deveria existir nos meios de comunicação, principalmente nos dedicados ao jornalismo.

A democracia depende de esclarecimento, de formação de cidadãos críticos e conscientes, sendo assim, muitos grupos políticos investem descaradamente na desmobilização social por meio do controle da mídia e também pela esculhambação das Instituições da Educação Pública.

Aos trinta anos já não creio mais na falta de intencionalidade, tendo em meu perfeito juízo a consciência de que enfrentamos um movimento maldoso que visa manter o Poder nas mãos de poucos e hoje meus amigos, não existe maior poder do que a informação e a capacidade de manipula-la.

Acredito que as pessoas que se arriscam escrevendo neste blog tenham o objetivo de alimentar uma das poucas vozes que sobrevivem sem ajudas escusas, lutando contra as ações de grupos revanchistas.

Não sei dizer quantas pessoas estão realmente dispostas a ler e refletir sobre o que escrevemos, mas tenho certeza que precisamos persistir. Se com a exposição de nossas ideias as coisas não puderem ser mudadas, tão pouco sem elas alguma coisa mudará.

Obrigado pelo espaço cedido Irani. Espero que minhas palavras possam contribuir com seu blog, que tem crescido e melhorado a cada dia, mesmo tendo como adversários aqueles que pensam que a liberdade de expressão deve ser exclusividade daqueles que podem por ela pagar.

OBS: Não farei uma apresentação formal do professor Fabrício Peres porque não o conheço pessoalmente. Tenho acompanhado com atenção seus textos, sempre inteligentes, postados nas nas redes sociais e o convidei para escrever neste blog. Detalhe: vi o professor Fabrício Peres apenas uma vez, numa manifestação de professores na Praça D. Epaminondas, em março de 2011.