Páginas

terça-feira, 14 de maio de 2013

SELEÇÃO, PS E PSOL DE PINDA

O espaço deste blog é preenchido com informações políticas. Raramente abordamos outros assuntos, mas farei uma exceção.

Luiz Gustavo Dias Marx, nascido em Pindamonhangaba, foi convocado na manhã desta terça-feira, pelo técnico Luiz Felipe Scolari, para a seleção brasileira de futebol que  disputará a Copa das Confederações, no Rio de Janeiro.

Jogador do Bayern de Munich desde janeiro de 2011, Guga, como é conhecido por seus amigos pindenses, jogou profissionalmente pelo Corinthians Alagoano em 2007. Transferiu-se em abril de 2008 para o 1899 Hoffenhein. Em 2011 foi contratado pelo ultracampeão Bayern.

Luiz Gustavo, de Pinda para a seleção brasileira de futebol
Antes, porém, o pindense vai disputar a final da Liga dos Campeões da Europa, contra o também alemão Borussia Dortmund, dia 25 próximo, em Londres.

O primeiro volante do Vale do Paraíba a disputar uma competição importante pela seleção brasileira foi Zito, natural da pequena Roseira, bicampeão mundial nas copas de 1958 (Suécia) e 1962 (Chile) e multicampeão pelo Santos FC.

AGORA, A POLÍTICA

A semana passada cometi uma gafe monumental ao chamar de PSOL o partido político que está se formando na cidade, o PS – PARTIDO DA SOLIDARIEDADE – ligado à central de trabalhadores Força Sindical

Foi uma falha lamentável, reconheço, mas não há o que fazer para corrigi-la. Fui criticado com veemência por quem me considera inimigo ou um mau jornalista. Não responderei às provocações porque, covardemente, meu detratores se escondem no anonimato para criticar.

A pedido do PSOL de Pindamonhangaba, faço esta retificação.

Fui traído pela memória ao confundir o PS (Partido da Solidariedade) com o PSOL (Partido Solidariedade e Luta).

Ideologicamente, o PS e o PSOL atuarão em campos diferentes. Enquanto este pode ser considerado de esquerda, aquele nasce umbilicalmente ligado à centro-direita, sob a liderança de Paulinho da Força (sindical).

Solidariedade é um nome “emprestado” de seu homônimo polonês, o Solidarnosc, criado por Lech Walesa nos estaleiros de Gdank nos anos 1970.

O Solidarnosc nasceu num momento de grande ebulição política na Polônia, então dominada pelo Partido Comunista, monitorado à distância por Moscou. O Muro de Berlin estava em vias de ser derrubado.

As greves nos estaleiros de Gdansk, lideradas por Walesa, ficaram famosas em todo o mundo. O líder sindical se tornaria presidente eleito da Polônia entre 1990 e 1995. Ganhou um prêmio Nobel como ativista dos direitos humanos.

A biografia de Lech Walesa, portanto, nada tem a ver com a de Paulinho da Força, basta comparar o passado de liderança política e trabalhista dos dois.

Mais uma vez me desculpo com os amigos de Pindamonhangaba pela falha monumental cometida.