Páginas

domingo, 28 de julho de 2013

TUCANOS DEPENADOS

O silêncio é sepulcral!

Onde foram parar os tucanos?

Quem vai explicar o desvio de R$ 425 milhões em propinas auferidos em vinte anos de governo tucano no Estado de São Paulo, para a construção das obras do metrô, compra e manutenção de trens, etc e tal.

Não escapa ninguém!

Do ex-governador Mário Covas ao atual Geraldo Alckmin, passando por José Serra, todos estão de alguma forma implicados com o acobertamento das falcatruas denunciadas pela revista ISTOÉ, velha conhecida dos taubateanos.

Por incrível que pareça Maluf está livre dessa acusação, pelo menos por enquanto.

Lembram-se das denúncias da revista sobre os possíveis desvios praticados pelo atual prefeito de Taubaté na FDE, acobertado por seu pai?

Ambos respondem a processo por improbidade administrativa na 14ª Vara da Fazenda Pública da Capital e continuam com os bens bloqueados pela Justiça.

Pois bem: o desvio apontado pela revista nos vinte anos de tucanato em São Paulo chega a pouco mais de R$ 21 milhões por ano (façam as contas).

O inefável STF quer que José Dirceu devolva R$ 23 milhões que teriam sido desviados durante o mensalão petista.

E agora tucanos? E agora juízes e promotores paulistas/ E agora deputados estaduais?

Quem vai gritar bem alto contra a malandragem tucana? Só petista é bandido? Ou melhor, só Dirceu, Genoino e Delúbio são bandidos?

Quem vai denunciar a porta arrombada do Palácio do Bom Conselho, ocupada há mais de trinta anos pelo império de uma família que nos condenou ao atraso político e econômico?

Quem vai gritar que Bernardo Ortiz, Mário Ortiz, Ortiz Júnior, Padre Afonso, Roberto Peixoto, Ary Kara e Joffre Neto são farinhas do mesmo saco?

Aquela turma maléfica que se autodenominava “transparência Taubaté” usou e abusou das redes sociais para atacar o (péssimo) governo Peixoto.

Criticavam o deputado Padre Afonso, mas ficaram quietinhos quando o parlamentar anunciou que apoiaria Ortiz Júnior no segundo turno das eleições municipais.

Também se calaram quando uma das assessoras do parlamentar foi nomeada secretária municipal e mantiveram o silêncio quando outra pessoa próxima ao deputado foi nomeada para servir o governo Ortiz júnior.

A calhordice atual só tem paralelo no governo Peixoto, se não for pior.

O taubateano precisa urgentemente esbravejar contra a política de conluio que infesta esta cidade há mais de anos.

Você sabia que em pleno século XXI nossa cidade foi divida para ser governada sucessivamente por Peixoto, Lobato e Ortiz Júnior?

Até agora deu resultado.

Que tal sairmos do atraso político?

Se quiser, o povo tirar essa turma podre do poder.

Basta querer!