Páginas

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

ORA POIS POIS... O GAJO VIROU
CELEBRIDADE NA REDE SOCIAL

O gajo, também conhecido como catão da Vila São Geraldo, é um finório. Traiu as cajazeiras e todos os que confiaram em sua pregação moralista quando o prefeito era o “canastrão”.

Tanto fez que virou celebridade no Facebook. O vídeo, editado por uma grande amiga foi  postado em minha fã page. Mais de 2 mil internautas puderam assistir ao discurso moralista do catão em pouco mais de 24 horas de sua posatagem.. Que moral, hein catão!

106
--
2.171

Se ainda não viu, veja-o neste link:

O astucioso vereador, como um catão, foi entronizado na Câmara Municipal como o homem que iria moralizar o Poder Legislativo taubateano.

Saudado por seus escravos mentais como um vereador “necessário”, o chamavam de “chefe”. Seu discurso moralista

O discurso moralista de catão foi substituído por uma defesa chocha do recém-eleito e futuro ex-prefeito desta urbe quase quatrocentona.

Criador da “Transparência Taubaté”, que não tem CNPJ, como cansou de denunciar o ex-vereador Rodson Lima, recentemente falecido, o gajo criou um grupo no Facebook (Taubaté de Peixoto) para malhar o  antigo prefeito, que continua canastrão.

Este blog postou dezenas de matérias críticas ao desastrado ex-prefeito. Mal sabia eu que meus textos interessavam aos propósitos do catão da Vila São Geraldo.

A partir de maio de 2012, quando dei início às publicações das denúncias que envolviam o atual futuro ex-prefeito com desvios na FDE (Fundação para o Desenvolvimento do Ensino), na época presidida pelo caudilho taubateano José Bernardo Ortiz, várias postagens deste blog foram excluídas do grupo.

O catão da Vila São Geraldo alegava que as excluía porque continham ilações. Sequer abordava o processo por improbidade administrativa que pai e filho respondiam (e ainda respondem) na 14ª Vara da Fazenda Pública da Capital, b em como ignorou solenemente o bloqueio, pela Justiça, dos bens dos Ortizes.

Eleito vereador á Câmara Municipal, o gajo quase vira presidente (mas essa é outra história). Resmungou quando a presidente do legislativo taubateano entregou 11 carros da Câmara para a Prefeitura.

Depois participou da reunião da bancada submissa ao futuro ex-prefeito sobre o reajuste salarial intempestivo para os secretários municipais, o catão da Vila São Geraldo jurou fidelidade e que votaria pelo reajuste.

Puro jogo de cena, como pode ser conferido nesta postagem de 17 de fevereiro deste ano.

O catão se trai quando afirma que luta pela retirada do vergonhoso vidro que separa o plenário da galeria da Câmara municipal.

Mestre da dissimulação, o catão apresentou uma solução paliativa: sugeriu que a vereadora Graça substituísse o vidro fixo por outro, basculante, como pode ser confirmado pelo ofício da lavra do vereador desnecessário à presidência da Câmara Municipal.



















































Ou seja, finge que tira, mas não tira, assim ficam todos felizes: os eleitores que poderiam assistir às sessões por uma janela e os vereadores, que se sentiriam “seguros” para atuarem na Câmara Municipal.

Para que não reste dúvida, reproduzo abaixo o ofício do vereador desnecessário á presidente da Casa, vereadora Graça sugerindo a troca do vidro fixo pelo basculante.

O catão não quer ser molestado por ninguém, especialmente quando está em plenário.