Páginas

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

VEREADORES RENUNCIAM À FUNÇÃO
DE FISCALIZAR: O POVO ESTÁ DE OLHO

Antonio Barbosa Filho, jornalista

ARNHEM (Países-Baixos) - Não chega a surpreender, mas causa profunda tristeza, a decisão da maioria da Câmara Municipal de arquivar o pedido de uma Comissão Especial de Inquérito para investigar as acusações que resultaram na cassação do prefeito-provisório Juninho Ortiz. Os vereadores agem contra a maré da opinião pública, a cada dia mais interessada no esclarecimento e na transparência dos fatos que envolvem nossos políticos.

Para quem, de fato e não apenas nos discursos, defende a Ética na Política (e somos muitos) o abafamento da questão pela maioria dos vereadores equivale a uma confissão de culpa. Nada, nem gritos na tribuna, nem choro, nem velas, fará com que o povo acredite que tal decisão serviu aos princípios básicos da moralidade pública. Ao contrário: o que se comenta nas ruas (estou distante, mas muito bem informado graças a amigos que atuam diretamente em Taubaté, nos mais variados setores) é quanto custou, em termos de favorecimentos, cada voto dos que jogaram embaixo do tapete os escândalos que envolvem os Ortizes.

O que está claro na mente da população é que se o prefeito-provisório foi eleito com dinheiro sujo (como afirma a honorável sentença da Dra. Sueli Zeraik, digna juíza eleitoral de Taubaté) toda a coligação que o apoiou está contaminada. O jornalista Irani Gomes de Lima lembra bem este aspecto: quem pagou a gasolina, os "santinhos", a produção de TV dos então candidatos a vereador que o apoiaram? Ou seja: o cofre é o mesmo; daí a atitude dos vereadores em esconder os fatos da população. Se mexer muito, o fedor aumenta e sobra prá todos eles.

CUMPLICIDADE

A votação desta semana, antes impedida pela presidenta da Câmara, vereadora Graça, numa decisão arbitrária (quem mudou? a assessoria jurídica reviu seu parecer anterior? trabalha por encomenda?) revela a alta cumplicidade entre o réu-cassado e os vereadores de sua imensa bancada.

Mais uma vez fica provado que a maioria dos vereadores está se lixando para a moralidade, tão reclamada nas ruas pela população, ainda recentemente. O povo quer honestidade, a Câmara lhe dá Impunidade. O povo grita por transparência, os vereadores lhe devolvem segredo sobre fatos concretos: ou a cassação pela Justiça Eleitoral não significa nada? Ou a juíza que estudou o caso por oito meses (!) errou em sua sentença que decretou a perda do mandato por abuso do poder econômico e político?

HERÓIS

Num ambiente em que a cumplicidade prevalece, o simples cumprimento do dever vira um ato heroico. Cumpriram sua obrigação, para a qual foram eleitos, os vereadores Salvador Soares, Vera Saba (ambos do PT) e Pollyana Gama (do PPS).

Apenas por resistirem ao assédio do réu-cassado, e honrarem o mandato que o povo lhes conferiu, esses três vereadores merecem congratulações, e a gratidão da população. Sua corajosa posição há de ser reconhecida nas urnas, e nas ruas. O povo gosta de gente digna e independente, e detesta os capachos.

Que fique bem registrado na memória dos eleitores taubateanos quem está de qual lado. Uns defendem o silêncio sobre a maior crise política da história de Taubaté: são 15! Outros, apenas três, infelizmente - levantam a cabeça contra a corrupção e lutam em minoria pela moralização da lamentável política local.

GLADIWA

Hoje, sexta-feita, às 19:00 horas, a advogada Gladiwa Ribeiro será novamente entrevistada por Francisco Oiring, no já popular programa "Cidade em Ação", da TV Cidade.

Ela está processando os Ortizes por calúnia e difamação, pois ambos disseram que ela foi demitida da FDE - Fundação para o Desenvolvimento da Educação, presidida por Bernardo Ortiz até ser afastado pela Justiça e, depois, demitido pelo governador do Estado. Gladiwa não foi demitida.

Gladiwa foi chefe de Gabinete da FDE, a convite de Ortiz pai, e conhece muito sobre as práticas que ele e seu filho adotaram naquela empresa estatal. Se resolver abrir o coração, Gladiwa tem muito a esclarecer sobre os alegados crimes cometidos por ambos os Ortizes. Será um programa imperdível!