Páginas

sábado, 12 de outubro de 2013

538 PACIENTES MORRERAM
NO PS NOS ÚLTIMOS 9 MESES

Relatório encaminhado, a pedido, à vereadora Pollyana Gama (PPS), revela que 538 pacientes morreram entre 1º de janeiro e 30 de setembro deste ano no Pronto Socorro Municipal.

A parlamentar investiga se o número de mortes no pronto-socorro decorre da falta de retaguarda hospitalar. Em outras palavras: se falta leito no hospital para transferir os pacientes mais graves.

Estatisticamente, o número de mortes é razoável, se considerarmos o volume de atendimento mensal e a precariedade das instalações do pronto-socorro municipal,.

Nos primeiros nove meses do ano, o pronto-socorro municipal atendeu em média 29.996 pacientes por mês. Destes, 538 morreram, ou seja, uma morte par cada 55,75 pacientes atendidos. Estatisticamente, os números podem parecer razoáveis, mas são preocupantes.

Preocupantes porque o relatório não especifica a “causa-mortis” dos pacientes. Fica demonstrado que o maior número delas ocorreu nos meses de maio (63) e junho (84), justamente quando o frio começa a aumentar e as doenças respiratórias atacam com mais frequência os mais velhos.

Aparentemente, o número de mortes ocorridas em Taubaté está dentro dos padrões aceitáveis pelo Ministério da Saúde. A direção do PS, alegando sigilo médico, não informa nome, idade e “causa-mortis” dos pacientes.

É preciso uma investigação mais ampla a respeito. O que se sabe é que 538 mortes em nove meses seria superior às registradas no mesmo período de 2012. É preciso investigar se há relação com a dificuldade de acesso ao hospital.