Páginas

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

IGNORÂNCIA, SANDICE OU MÁ-FÉ?

A teima de certas “madames” em insistir que o prefeito cassado Ortiz Junior (PSDB) nada mais deve à Justiça beira à sandice. Ou seria um caso de ignorância ao interpretar as legislações eleitoral e cível. Se for este o caso, não há problema. Basta estudar um pouco para resolver a questão. Em caso de má-fé, não há remédio que cure.

Assessor político do prefeito cassado, o professor Arcione Ferreira Viagi, que foi um dos principais coordenadores da campanha eleitoral tucana, não perdeu tempo para divulgar nas redes sociais a informação do sítio do jornal O Estado de São Paulo sobre o arquivamento de um processo contra o prefeito tucano.

“Deixa o homem trabalhar”, disse o assessor, ao pedir que a informação fosse compartilhada pelos tucanos. Um dos mais notórios tucanos de Taubaté não gostou do bordão e aconselhou o “conselheiro” político do prefeito a esperar o resultado dos processos que correm nas esferas Civil e Eleitoral para se ter “clareza absoluta” dessa história. Foi a opinião mais sensata que li até agora.

O próprio prefeito dá como favas contadas sua absolvição no TRE e na 14ª Vara da Fazenda Pública da Capital, onde tem um recurso eleitoral em andamento, um processo que pode ser reaberto para julgamento pela Justiça Eleitoral de Taubaté e a improbidade administrativa, cujo processo ainda está em tramitação.

No vídeo que gravou para postar no You Tube, a histriônica declaração do prefeito cassado sobre a notícia veiculada do arquivamento de um processo em que figurava como réu é o retrato fiel e acabado de um embuste perpetrado para enganar o cidadão taubateano.

No vídeo, o prefeito cassado não diz que tem um recurso contra sua cassação para ser julgado pelo TRE, não diz que continua réu na Justiça Pública da Capital, não diz que pode ser julgado novamente pela JE em Taubaté por suposto crime de lavagem de dinheiro na campanha eleitoral e não diz, por fim, que seus bens, assim como o de seu pai, continuam bloqueados pela Justiça.

O vídeo no You Tube e seu compartilhamento pelos sabujos e lacaios do prefeito nas redes sociais, especialmente no Facebook, demonstram que o Ortiz Junior  está em campanha para recuperar a confiança perdida em tão pouco tempo de administração.

A forma truculenta de governar ele herdou do pai. Bernardo Ortiz governou Taubaté despoticamente. Os sucessores, especialmente o petista Salvador khuriyeh, viraram “iscariotes”. Na metáfora, o caudilho taubateano quis, na verdade, ser comparado a Jesus Cristo. Conseguiu. Estávamos no final dos anos 1980. Não havia internet. As comunicações eram precárias.

Nestes poucos meses de governo o tucano acumula pelos menos duas derrotas: uma eleitoral (cassação) e outra na sua vã tentativa de condenar professores por incitação à greve, o que de fato não aconteceu. Foi impedido de cometer a arbitrariedade pela justiça pública.

Mesmo contra todas as evidências, certas “madames” insistem que é tudo a mesma coisa, que o processo arquivado contra o prefeito histriônico significa o arquivamento dos demais.

Por que tanta sandice? Será que acreditam na própria ignorância? Ou pensam que somos um bando de parvos, que creem em tudo o que dizem adultos velhacos?