Páginas

domingo, 13 de outubro de 2013

PEIXOTO RESPONDE NA JUSTIÇA FEDERAL
POR FORMAÇÃO DE QUADRILHA

O procurador federal Rodrigo de Grandis denunciou o ex-prefeito Roberto Peixoto, sua mulher, Luciana Peixoto, os filhos do casal, Roberta, Viviane e Felipe, além de Fernando Gigli, José Eduardo Touso e Luciane Prado Rodrigues, todos por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

O juiz federal substituto Pedro Henrique Lima Carvalho, que afastou qualquer causa de nulidade ou de absolvição sumária dos réus designou o dia 27 de fevereiro de 2014, às 14h30, para oitiva da testemunha de acusação Gladson Dutra Costa e da testemunha comum de acusação e defesa Nelson Merice.

Ou seja, o processo 0014631-07.2012.403.0000 entra na fase decisiva, uma vez que o juiz determinou a expedição de cartas precatórias para os envolvidos (réus e testemunhas de acusação e de defesa residentes em outras subsecções do TRF) no prazo de 60 dias, a contar de 27 de setembro deste ano, data em que foi publicado o despacho interlocutório.

O procurador Rodrigo de Grandis, salienta o juiz Pedro Henrique Lima Carvalho, “Inicia a denúncia por afirmar que o acusado FERNANDO (Gigli), ex-chefe de gabinete da Prefeitura de Taubaté/SP, compareceu à Procuradoria da República naquele Município e revelou a existência de um grande esquema de apropriação e desvio de verbas públicas instalado no seio da administração pública municipal.”

Prossegue o despacho do juiz federal:

O esquema consistia na contratação de determinadas empresas para o fornecimento e distribuição de medicamentos e de merenda escolar, através de licitações fraudadas ou dispensas irregulares de licitação. As empresas beneficiadas ou tinham de pagar uma percentagem das vantagens indevidas ao acusado ROBERTO, então Prefeito do Município, e à sua esposa LUCIANA, ou eram apenas empresas de fachada gerenciadas por pessoas ligadas ao próprio ROBERTO.

Polícia Federal comprova formação de quadrilha e lavagem de dinheiro:

Por requisição do MPF, foi instaurado inquérito policial pela Polícia Federal em São José dos Campos/SP, o qual foi registrado no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (devido à prerrogativa de função do Prefeito), sob o nº 0038655-07.2009.403.000. Em tal inquérito, conclui-se, após a realização de diversas diligências, pela veracidade das informações apresentadas por FERNANDO (Gigli).

Além de Peixoto e Luciana Peixoto, o médico Pedro Henrique Silveira (ex-secretário de Saúde), Fernando Gigli (ex-chefe de gabinete), Renato Pereira Junior, o contador Carlos  Anderson dos Santos, Marco Aurélio Ribeiro da Costa, Cristiane Vetturi, Gustavo Bandeira da Silva, Marcelo Gama de Oliveira e José Benedito Prado responderão por formação de quadrilha.

Segundo a denúncia, “os produtos de tais crimes teriam, por sua vez, sido objeto de crimes de lavagem e ocultação. Os acusados ROBERTO e LUCIANA, juntamente com seus filhos ROBERTA, VIVIANE e FELIPE, auxiliados por FERNANDOJOSÉ EDUARDO  e  LUCIANE teriam se associado, de forma estável e permanente, com a finalidade de ocultar ou dissimular a propriedade e a origem dos bens obtidos de modo criminoso.