Páginas

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

POR QUE A IMPRENSA "ERRA"?

O professor Fabrício Peres que, ao lado de seu colega Cleber Fulgêncio Victuriano, pede a realização de novas eleições para a presidência do Sindicato dos Servidores Municipais de Taubaté, tenta desfazer o “equívoco” cometido pela imprensa taubateana que atribui ao PT o movimento pró-eleição sindical.

Abaixo, a carta aos servidores municipais:

Caros Servidores Municipais, representantes da mídia e demais cidadãos.

Tomemos cuidado para não nos deixarmos ludibriar pelas palavras do Sindicato da Administração Municipal e pelos equívocos cometidos por alguns órgãos de imprensa.

O movimento dos Servidores Municipais de Taubaté, que busca agregar todos os servidores a partir de objetivos comuns, é um movimento apartidário, ou para quem preferir, suprapartidário. Respeitamos todas as bandeiras, ideologias e partidos políticos, embora não estejamos atrelados a nenhum deles.

Sabemos que no Brasil, assim como em muitos outros países, os movimentos trabalhistas dificilmente são desagregados dos movimentos políticos/partidários, principalmente os de esquerda.

Neste momento, precisamos de todo apoio possível, não estamos julgando cores nem bandeiras, estamos somando e não dividindo. Se existe maior simpatia dos partidos de esquerda pela causa, todos serão bem vindos, mas estamos abertos para a participação de outros, se desejarem participar, é claro.

Muitas das entidades que hoje nos apoiam são de fato vinculados à CUT, como a APEOESP, Sindicato dos Metalúrgicos, Sindicato dos Servidores Públicos de SJC e de Caçapava, mais isso é fácil de entender quando lembramos que a CUT (Central Única dos Trabalhadores) é a maior e mais tradicional central sindical do país até mesmo da América Latina.

Criticar a presença de uma central e de partidos é a forma mais grosseira de tentar desmerecer um movimento e isso é feito justamente por quem vive agarrado na barra da saia de um partido e da administração municipal.

Lembro ainda que o atual Sindicato dos Servidores de Taubaté está atrelado a uma central sindical, a “Nova Central Sindical” e que alguns de seus diretores são funcionários comissionados, ou seja, estão em cargos de confiança dentro da prefeitura municipal de Taubaté, por isso, a atual diretoria não tem condições morais para manifestar críticas contra entidades ou partidos que eventualmente possam apoiar o movimento dos Servidores Municipais de Taubaté.

Alguém acha normal e correto um presidente de sindicato ir á rádio e aos jornais juntamente com o Prefeito, representante maior da administração com a qual se está discutindo os benefícios trabalhistas?

Alguém acha aceitável, que um Sindicato que há anos arrecada fundos dos funcionários municipais, seja dependente de um prédio concedido pela prefeitura e que não tenha sido capaz de comprar uma sede própria, garantindo a mínima independência que deveria ser típica de qualquer sindicato sério e representativo?

Para onde vai o dinheiro arrecadado mensalmente dos servidores?

Tanto a APEOESP de Taubaté, como o Sindicato dos Metalúrgicos, como os Sindicato dos Bancários têm sido grandes parceiros nossos, colaborando com a estrutura que não temos e que nunca foi oferecida pelo sindicato municipal que teria por prerrogativa atuar na defesa dos servidores.

Membros do PT e PSOL  estão sim entre nós, representados por funcionários filiados e por simpatizantes do movimento, mas muitos outros partidos também estão presentes, representados por vários companheiros. Eu mesmo sou filiado ao PSD, e conheço colegas filiados ao PSDB, PV, PMDB, PDT, PSTU, PC do B e muitos outros partidos com diferentes ideologias e linhas de atuação.

O importante neste momento é mantermos nossa união, independentemente das diferenças ideológicas e pessoais.

É fato que as propostas do prefeito só estão sendo expostas porque temos ido para a rua de forma organizada reivindicar nossos direitos.

Temos que exigir que as propostas para a categoria sejam votadas e discutidas em assembleia, enquanto a atual diretoria estiver no sindicato.

Não podemos desanimar, desistir e muito menos nos deixar influenciar pelas falas de um "Sindicato", que tem entre seus diretores vários funcionário em cargos de confiança, sendo que nenhum deles foi eleito em uma verdadeira assembleia de servidores.

Os Servidores Municipais de Taubaté, assim como quaisquer trabalhadores, merecem respeito e dignidade em suas atividades profissionais. Juntos poderemos conquistar a representatividade desejada e merecida.

Professor Fabrício Peres