Páginas

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

TRE SUBSTITUI RELATOR DE
PROCESSO CONTRA TUCANO

O juiz Roberto Caruso Costabile e Solimene não é mais o relator da AIJE 952-92.2012.6.26.0141, na qual o tucano Ortiz Junior é acusado pelo MPE por “captação ilícita de recursos” para sua campanha eleitoral, podendo ser cassado pela segunda vez em menos de um ano de governo.

O juiz Silmar Fernandes substitui Costabile e Solimene, que deveria permanecer no TRE até 28 de janeiro de 2015, mas participou de sua última sessão na corte eleitoral paulista terça-feira (29/10).

Não há informação se o juiz foi promovido a desembargador, como aconteceu recentemente com Paulo Galízia, a quem substituiu na relatoria do processo por “lavagem de dinheiro” que pesa contra Ortiz Junior. A promoção é ato exclusivo do governador do Estado.

Costabile e Solimene votou a favor da reabertura do processo arquivado pela Justiça Eleitoral de Taubaté sem julgamento do mérito. Aparentemente, Ortiz Junior estaria ganhando tempo.

Ocorre que a AIJE 587-38.2012.6.26.0141, pela qual o tucano foi cassado, está em grau de recurso e ainda não foi colocada na pauta de julgamento do TRE, pelo menos nas próximas três sessões. O novo juiz deve pedir vista do processo para prolatar seu voto.

ENQUANTO ISSO...

O procurador de Justiça Rodrigo de Grandis, o mesmo que rejeitou o embargo de declaração de Ortiz Junior, que tenta barrar no TRE a reabertura da AIJE 952-92.2012.6.26.0141, está na mira do Conselho Nacional do Ministério Público e pode ser acusado de prevaricação.

Sua justificativa de que arquivou em pasta errada pedido do Ministério Público da Suíça para investigar possíveis envolvidos no recebimento de propinas no caso do metrô de São Paulo não foi digerido pelo corregedor nacional do ministério Público Alessandro Tramujas.

O “esquecimento” do procurador custou o arquivamento da investigação que o Ministério Público da Suíça faz com relação às multinacionais Siemens e Alston com o possível pagamento de propina para tucanos de alta plumagem nos vinte anos de governos do PSDB de São Paulo.

Valho-me do noticiário da mídia nacional e dos blogues para ligar o procurador federal Rodrigo de Grandis aos últimos acontecimentos políticos de Taubaté.

Na qualidade de procurador regional eleitoral, é dele o parecer favorável à reabertura do processo eleitoral que investiga a suposta lavagem de dinheiro na campanha tucana em Taubaté. A decisão colegiada do TRE não deixa dúvida: 6 a 0.

A última ação do procurador regional eleitoral Rodrigo de Grandis em relação a Taubaté foi a rejeição do embargo de declaração de Ortiz Junior  em sua tentativa inútil de ganhar tempo e protelar a reabertura do processo que poderá ser mais um grande escândalo político nesta urbe quase quatrocentona.