Páginas

sábado, 5 de outubro de 2013

VEREADORES: ELEITORES
VOTARAM NA ESQUERDA!

Antonio Barbosa Filho

HAIA (Países-Baixos) - Há um paradoxo entre a formação atual da Câmara Municipal de Taubaté, os partidos que representam os vereadores, e a intenção de voto dos mais de 200 mil eleitores que se expressaram nas urnas em 2012. Alguém mentiu para alguém, pois uma população considerada conservadora foi induzida a eleger pelo menos oito vereadores, num total de 19, que integram partidos de esquerda ou centro-esquerda.

Apesar de vivermos tempos de grande cinismo na Política municipal, ainda existe um conceito chamado "fidelidade partidária" que obriga os filiados a obedecerem ou, ao menos, serem coerentes com os Programas da agremiação que lhe concedeu a legenda de candidato. Não é honesto um cidadão pedir votos por um Partido, usando o número que a Justiça Eleitoral atribui a cada partido, escondendo do eleitor os princípios pelos quais deverá pautar sua conduta depois de eleito. Se o eleitor vota em alguém sem conhecer sua ideologia partidária, está sendo vítima de um estelionato: delega sua representação a alguém que poderá votar contra os objetivos daquele partido escolhido.

Quem vota num Socialista, quer ver políticas que defendam, ainda que num horizonte distante - mas sempre presente - princípios Socialistas. O mesmo vale para quem vota num democrata-cristão, num conservador, num verde, num liberal, etc. No Brasil não existe, pelo menos por enquanto, o candidato avulso, ou o partido do "eu-sòzinho", ou seja, ninguém pode candidatar-se sem estar filiado e comprometido com um programa partidário.

Assim, basta uma verificação superficial para vermos que oito dos 19 vereadores pertencem e pediram votos em nome de partidos que têm cores socialistas, comunistas, trabalhistas e ambientalistas. É um choque para quem acompanha os votos, discursos e condutas desses vereadores: alguns, evidentemente, estão traindo algum princípio programático ideológico.

Por exemplo, temos três vereadores do PSB - Partido Socialista Brasileiro: Graça, Joffre e Vidal. O que manda o Programa do PSB a todos os seus filiados? Está lá no Programa: "Socialista é a sociedade que aboliu a propriedade privada capitalista dos meios de produção, os quais passam a ser propriedade cooperativa ou coletiva dos criadores das riquezas, os trabalhadores". Documentos aprovados em congressos do PSB pregam também a conduta que seus deputados, vereadores e ocupantes de cargos no Executivo adotavam nos tempos heróicos da criação do partido (que nasceu em 1945, filho da Esquerda Democrática): "combatiam aumentos indevidos em seus salários. Tinham grande preocupação com o trato do dinheiro e bens públicos"...

Logicamente, o Código de Ética do PSB prevê punições a quem desobedecer ao Programa. E ainda no seu 9o Congresso Nacional, em 2005, o PSB decidiu: "O PSB reafirma a governabilidade e busca cabal apuração de toda e qualquer irregularidade ou desvio de conduta no poder público".

Temos também, pela primeira vez, um vereador filiado ao histórico PC do B, o Partido Comunista do Brasil. Nosso comunista na Câmara é o vereador Carbonne. Ele certamente conhece o item 2 do seu Programa: "O objetivo essencial deste Programa é a transição do capitalismo ao socialismo nas condições do Brasil e do mundo contemporâneo. (...) Com pertinácia, reformas e renovações, ao modo de cada um, China, Vietnã, Cuba, República Democrática da Coréia e Laos tiveram capacidade para resistir e manter hasteada a bandeira do Socialismo".

O PC do B de Carbonne nos ensina ainda sobre o Capitalismo: "Depois de 300 anos de existência, é um sistema esgotado historicamente, embora ainda dominante política e ideologicamente. (...) "A Humanidade sob seu domínio tem padecido enormemente. Em vez da paz, a guerra; em vez das liberdades, as ameaças constantes à democracia. Condena milhões à fome e ao desemprego".

Ainda o PC do B, para entendermos melhor os compromissos de seus membros e representantes, afirma que (o partido) "organização política da vanguarda da classe operária e do povo trabalhador, apoiada na teoria revolucionária marxista-leninista - empenha-se em conjunto com outras organizações e lideranças políticas avançadas, pela vitória do empreendimento revolucionário".

O vereador "Neneca" integra o PDT - Partido Democrático Trabalhista, fundado pelo saudoso governador Leonel Brizola, um grande brasileiro. É o único partido brasileiro que pertence à Internacional Socialista. O item 7 dos seus "Compromissos" é "a recuperação pelo povo brasileiro de todas as concessões feitas a grupos e interesses estrangeiros., lesivas ao nosso patrimônio, à economia nacional e atentatória à nossa própria soberania". E um de seus dirigentes máximos, citado no sítio oficial do PDT, diz que "aquele que se define como Trabalhista será, necessariamente, um idealista, e seu ideal é o Socialismo".

Já o PV, que tem na Câmara o vereador Jeferson Campos, "identifica-se com o ideário de esquerda no compromisso com as aspirações da grande maioria trabalhadora da população e na solidariedade com todos os setores excluídos, oprimidos e discriminados. (...) Mas não segue os cânones da esquerda tradicional, da mesma forma com que questiona a hegemonia neoliberal, duas vertentes do paradigma produtivista do século 20".

Temos ainda a atuante vereadora Pollyana, do PPS, partido que substituiu o quase secular Partido Comunista Brasileiro. Foi o partido de Luis Carlos Prestes, e um dos mais perseguidos pela ditadura civil-militar de 64-85. Embora nunca tenha apoiado a luta armada, teve seus quadros quase dizimados pela repressão da ditadura, e outros dirigentes mantidos no exílio por muitos anos. Comandado pelo neo-liberal Roberto Freire, o partido ainda se diz de esquerda.

Portanto, Taubaté tem uma boa parte de sua Câmara de Vereadores atrelada, pelo menos programaticamente, às bandeiras socialistas ou progressistas. Aliás, os dois vereadores do PT (Salvador e Vera) seguem ao máximo de suas possibilidades as diretrizes gerais do seu partido. Não me refiro ao PSDB, que seria um partido social-democrata de padrão europeu, não fosse a sua inclinação recente à direita mais extremada, especialmente pela nefasta influência de Fernando Henrique e José Serra. O PP é o partido de Maluf, e tem um vereador, Miranda, que está entre o apoio ao governo Dilma ao nível federal (tem até ministros) e o apoio incondicional ao prefeito cassado Juninho Ortiz.

Nunca é demais cobrar alguma coerência dos nossos vereadores. A menos que eles mudem os programas de seus partidos, ou embarquem de vez no PSDB dos Ortizes, boa parte deles está sendo infiel aos seus Programas, e, portanto, ao eleitor enganado que os elegeu.