Páginas

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

AVENIDA JOHN KENNEDY POR QUÊ?

O Almanaque Urupês, do amigo Pedro Rubin, responde a uma dúvida lançada por mim em 20 de janeiro de 2011, quando perguntei por que Taubaté tinha uma avenida chamada John Kennedy. O que  fez o assassinado presidente americano por Taubaté para receber tal honraria?

A Câmara Municipal de Taubaté, uma semana após a morte de John Kennedy, aprovou o projeto de lei 666/63 (número cabalístico, ligado ao mau, segundo os exegetas bíblicos), trocando o nome da incipiente Avenida Brasil (não a da Vila São Geraldo), no Jardim das Nações, por Avenida John Kennedy.

O projeto de lei é absurdo por si só. O artigo 2º ordena que nas placas indicativas de nomeação constasse a seguinte frase: “Avenida John F. Kennedy – defensor da liberdade humana”.

Os nobres vereadores de antanho, na sessão de 29 de novembro de 1963 “desconheciam”, por estarem mal informados ou por concordarem com ela, que John Kennedy, dois anos antes, em 1961, havia autorizado a invasão da Baía dos Porcos numa tentativa inútil de derrubar o líder cubano Fidel Castro.

Ainda em 1962, no dia 7 de fevereiro, o presidente americano John Kennedy, um ano e nove meses antes de ser assassinado em Dallas (Texas), exatamente no dia 22 de novembro de 1963, decreta o bloqueio comercial a Cuba, que perdura até hoje, sem que Fidel tenha caído.

Ao mudar o nome de Avenida Brasil para Avenida John Kennedy, os vereadores de 1963 demonstraram todo o seu desapreço a este país e uma subserviência inaudita ao Tio Sam.

Aproveito a ocasião para sugerir a Pedro Rubin uma pesquisa sobre a mudança do nome da Avenida Cavarucanguera (nome indígena, relativo às tribos taubateanas que habitavam a parte alta da cidade e marcavam o caminho da aldeia até as proximidades da histórica Capela do Pilar com cabeças de cavalos mortos) para Faria Lima?

Nestes pequenos atos podemos verificar o qual é conservadora nossa Taubaté. Isto explica muitos dos problemas políticos que esta urbe quase quatrocentona enfrenta nos dias atuais.

Leia a matéria completa no Almanaque Urupês