Páginas

terça-feira, 19 de novembro de 2013

LUZ, CÂMERA E AÇÃO!

Pollyana Gama, vereadora

Como se fosse uma luz que se avista ao fim do túnel, felizmente, foi aprovado pela Câmara Municipal, em regime de urgência, a nosso pedido, na última quarta-feira, dia 13, o Projeto de Lei 158/2013 que cria o Festival de Cinema de Taubaté. Uma iniciativa altamente louvável da Secretaria Municipal de Cultura que foi acatada pelo Prefeito e transformada nesta ação que poderá trazer Taubaté novamente à “Cena do Cinema Nacional”.

Como educadora e presidente da Comissão de Educação, Cultura e Turismo da Câmara Municipal, vejo a matéria como oportunidade para a retomada, a todo vapor, das produções cinematográficas locais, tal como em 1973 quando o cinema já vivia os seus dias de glória. Amácio Mazzaropi era o rei das bilheterias em todo o território brasileiro. Além do Cine Palas, tínhamos outras salas de espetáculos que, semanalmente, viviam lotadas: Cine Metrópole, Cine Urupês, Cine Odeon e Cine Boa Vista, este último na Vila das Graças.

Quando a bela limousine conversível descia a rua das Palmeiras em direção ao majestoso Cine Palas, com o largo sorriso de Mazzaropi, o entusiasmo tomava conta da multidão que se aglomerava e aplaudia o grande astro do cinema nacional que chegava para a sessão de lançamento de “Portugal, Minha Saudade”, filme produzido nos estúdios da PAM Filmes, em Taubaté.

A PAM Filmes produziu uma série de tramas nos seus estúdios localizados na Fazenda Santa, no Bairro dos Remédios. Infelizmente, com o falecimento de Mazzaropi, em 1981, aos 69 anos, os filmes deixaram de ser produzidos em nossa cidade. Hoje, no local, temos um museu cinematográfico e um conceituadíssimo hotel fazenda de luxo, eleito por cinco anos consecutivos pelos leitores da Revista Viagem & Turismo como o Melhor Hotel Fazenda do Brasil, onde turistas e visitantes podem ter acesso ao acervo deixado pelo nosso grande cineasta. 

Nasci no ano de 1975, portanto, boa parte do sucesso de Mazzaropi pude conhecer por meio dos registros históricos e pelos contos de parentes e amigos que tiveram o privilégio de vivenciar aqueles momentos. Meu pai, inclusive, foi figurante em alguns dos filmes de nosso cineasta. Em um deles, “Jecão, um fofoqueiro no céu”, gravado em 1977, ele aparece numa cena de briga com o dentista Daniel Sbruzzi, recém-homenageado pela Câmara Municipal.

Os tempos mudaram e hoje as salas de cinema estão localizadas, prioritariamente, em espaços que atraem muitos consumidores, a exemplo dos shoppings. Aliás, em minha pesquisa do mestrado em Desenvolvimento Humano, constatei que a opção cultural mais cultivada pelos estudantes é justamente o cinema.

Retornando ao Festival de Cinema, a atividade não apenas contribuirá para o resgate daqueles grandes momentos culturais vividos pelos taubateanos quando lotavam as salas de cinema no passado, mas, também, para impulsionar a cadeia econômica ligada ao turismo em nossa cidade. Afinal, uma das propostas é estimular o gosto pela produção audiovisual e, melhor que isso, proporcionar meios que viabilizem projetos de artistas tanto amadores quanto profissionais.

Importante observar que um Festival como esse não pode ser reduzido apenas ao período de sua realização – que será regulamentado por decreto do Prefeito. É necessário contemplar um projeto de responsabilidade social/cultural envolvendo a comunidade local ao longo do ano. Isso exige muito empenho do Poder Público e parcerias com o setor privado. Como para 2014 a peça do PPA (Plano Plurianual) enviada à Câmara não inclui o Festival, elaborei emenda sugerindo o repasse de R$ 50 mil anualmente ao projeto. Claro que o dinheiro não é autossuficiente para a manutenção do mesmo, mas contribui com o resultado da parceria público-privada que, acredito, será estabelecida para este acontecimento.

O economista e jornalista Luis Nassif publicou em seu blog no último dia 6 o artigo “O renascimento do cinema nacional”, no qual nos mostra números otimistas que indicam as grandes possibilidades que se apresentam para o atual momento do cinema. Ele relata que até o início do mês foram vendidos no mercado interno 22 milhões de ingresso para filmes brasileiros. Nessa conta entrou apenas a primeira semana do filme “Meu passado me condena”, que estreou com a segunda maior bilheteria do ano, conforme informações obtidas com Manoel Rangel, diretor-presidente da Ancine (Agência Nacional de Cinema).

O momento atual para o cinema brasileiro é muito promissor. Taubaté com a aprovação do projeto de lei que cria o Festival de Cinema e com a estruturação necessária da nossa Secretaria da Cultura para este fim poderá, sem sombra de dúvidas, avançar na consecução de uma política de cultura e turismo, geradora de receitas para o município. É nosso dever preservar, pois, afinal, Taubaté foi berço de um dos principais cineastas do país: Amácio Mazzaropi. Para 2014: Luz, câmera, ação!