Páginas

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

O HORROR DA DISCRIMINAÇÃO:
ELITE POLÍTICA X SERVIDORES MUNICIPAIS

Cleber Fulgencio Victuriano, servidor

(extraído do Facebook)

Desde o início deste ano de 2013 nós cidadãos taubateanos estamos nos deparando com um conjunto de ações perpetradas por alguns setores da administração pública e com o aval de muitos dos "homens bons" da nossa Casa de Leis que revelam um acúmulo muito grande de imposições arbitrárias aos "Servidores Municipais" desta cidade. Ao mesmo tempo podemos perceber que aqueles que agem assim acreditam estar fazendo justiça e de agir na defesa do bem público, pois a seus olhos estes servidores são todos "seres inferiores", "acomodados", "vagabundos", " rebeldes sem causa"!

O Ministério do Trabalho na pessoa do seu auditor o Dr. Antônio Carlos ao investigar denuncias de "assédio moral" na prefeitura de Taubaté, entre outras irregularidades, constatou que há fortes indícios de que estas práticas são reais (tanto que houve a abertura de vários processos). E segundo muitos servidores e munícipes tudo isto é fruto de uma mentalidade preconceituosa e discriminatória fortemente arraigada numa classe política que se julga superior e que por décadas oprime estes cidadãos - servidores que lutam para manter suas famílias e seu trabalho em prol de nossa querida Taubaté.

Servidores municipais debatem "assédio moral" com representante do Ministério do Trabalho
A constituição federal afirma que é proibido a discriminação que tem como objetivo reduzir ou impedir a manutenção do emprego e acessibilidade aos direitos do trabalhador. E se entendermos a discriminação como:ato de distinguir ou separar (discriminatio / latim = separação) percebemos a mais profunda intenção destes "seres superiores" de nos manter separados de nossos direitos e submissos a esta situação!

Numa cidade onde muitos dos que nos deveriam nos defender (Câmara Municipal, Imprensa local,Partidos Políticos),mesmo sabendo do horror que nos é impetrado,com raras e preciosas exceções, simplesmente se cala e "lava as mãos" como Poncios Pilatos modernos, recorremos a justiça: Trabalhista,Civil,Criminal e até divina. E acreditamos que "OMNES PARES ANTE LEGEM" (perante a lei somos todos iguais).