Páginas

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

"ERA PEIXOTO" - POR MARCOS LIMÃO

O jornalista Marcos Limão acaba de publicar seu livro sobre os oito anos do governo municipal de Roberto Peixoto, de 2005 a 2012. Limito-me a reproduzir o release do autor e convidar os interessados a participar do lançamento da obra nesta quinta-feira, às 20 horas, no restaurante Porca Miséria.

O livro “Era Peixoto: política da desonestidade no Palácio do Bom Conselho”, escrito pelo jornalista Marcos Limão, é o registro histórico da mais longa e duradoura crise política de cunho ético-moral vivida em Taubaté desde a sua ascensão à categoria de Vila de São Francisco das Chagas de Taubaté, ocorrida em 1645. Refere-se ao governo de Roberto Pereira Peixoto, prefeito de 2005 a 2012.

Conforme a descrição contida na página 15 do livro, “foi um período conturbado para a cidade. Envolvido em uma espiral de escândalos políticos e administrativos, o Palácio Bom Conselho não conseguia atender as demandas mais elementares da população. As ações governamentais pareciam estar mais voltadas à blindagem de Roberto Peixoto e menos à gestão do município. A administração municipal não captava financiamentos externos para investimentos na urbe pela inexistência de projetos em virtude da ausência de políticas públicas. Sob o governo de Roberto Peixoto, Taubaté chegou ao fundo do poço”.

Escrita pelo repórter que acompanhou e registrou a rotina do poder em Taubaté, a obra tem 152 páginas e está dividida em 12 capítulos. Segundo Marcos Limão, a principal dificuldade para escrever o livro decorreu do fato de estar perante uma máquina pública viciada, com focos de corrupção em praticamente todas as áreas do governo.

Capa de "Era Peixoto" - o livro de Marcos Limão
O autor então decidiu focar seu trabalho de coleta de dados na área da Saúde. Estudou com profundidade os episódios envolvendo a Acert Serviços Administrativos Ltda. Criada em junho de 2008, esta empresa emitiu suas três primeiras Notas Fiscais para a campanha de reeleição de Roberto Peixoto. Após isso, a empresa foi contratada pela Prefeitura de Taubaté para prestar serviços na área da Saúde, mesmo sem possuir experiência e infraestrutura para tanto.

Os indícios de corrupção na Prefeitura de Taubaté culminaram na prisão do prefeito e da primeira-dama durante a Operação Urupês, deflagrada pela Polícia Federal no dia 21 de junho de 2011 com o objetivo de desarticular organização criminosa formada por empresários, políticos e funcionários públicos.

O livro relata ainda as denúncias de compras de votos e caixa dois na campanha da reeleição de Roberto Peixoto, as estripulias administrativas do governo municipal e a relação do prefeito com os vereadores, que preferiram não interromper o mandato de Roberto Peixoto mesmo havendo motivos de sobrar para fazer isso.

A obra traz ainda uma galeria de fotos da época do processo de cassação de Roberto Peixoto na Câmara Municipal, quando a cidade vivenciou diversos protestos populares protagonizados por cidadãos indignados com a impunidade presentes em Taubaté.

Quem tiver interesse em adquirir um exemplar, pode falar diretamente com o autor do livro pelo email marcoslimao@gmail.com

REPERCUSSÕES DO LIVRO-REPORTAGEM

Luiz Carlos Batista, assessor de imprensa da Câmara Municipal
“Sob o ponto de vista de reportagem, o livro segue todos os caminhos que redundaram num projeto muito bom. Limão consegue prender a atenção do leitor pela fluência ao contar esse período da política taubateana. Ao contrário do que se poderia pensar à primeira vista, o livro não é uma avalanche de denúncias, mas mostra todos os documentos e opiniões que envolveram os fatos. Portanto, nesse aspecto penso que o livro será um sucesso.”

Edmauro Santos, engenheiro
“Pela primeira vez a história de um período da política de Taubaté foi “escancarada” sem pudor. Recomendo a leitura desse livro a todos os cidadãos, principalmente aos jovens, futuros eleitores”.

Wagner Giron De La Torre, defensor público
“Brilhante e corajoso trabalho de jornalismo investigativo, tão em falta na grande imprensa. Essa obra é essencial para sustentar a memória coletiva sobre os atos despóticos cotidianamente praticados pelos políticos contra os interesses populares e, principalmente, para servir como registro da história da cidade, ainda que cingida à uma página obscura dessa mesma história”.

Eduardo Cursino, contador e secretário de Governo da Prefeitura de Taubaté
“O livro retratou com fidelidade a tragédia administrativa que aconteceu nos últimos anos. Milha filha de 12 anos está lendo. Eu nem pedi. Deixei o livro em cima da mesa e ela começou a ler. É importante que fique registrado para o povo de Taubaté não esquecer o que aconteceu”.

João Marcos Vidal, vereador em Taubaté
“O importante do livro para Taubaté é o caráter histórico, pois quem esquece o passado está condenado a revivê-lo”.