Páginas

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

NOITE DE NATAL

Silvio Prado, professor

Vinham os dois de algum lugar da distante zona rural. Ele, cuidadoso, preocupado com a mulher na garupa da bicicleta. Ela, uma barriga imensa, nove meses exatos, preocupada com o esforço do marido, um homem ainda forte, mas não tão jovem. Além do mais, aquela criança parecendo não ter sossego em seu ventre, incomodada, louca talvez para botar a cara em definitivo no mundo dos homens.

Também havia a preocupação com os carros que passavam voando e se cruzavam pela estradinha estreita. Se um daqueles irresponsáveis resvalasse na bicicleta, seria uma tragédia, tudo estaria perdido. Não bastavam os faróis acesos rasgando a noite e ofuscando os olhos do casal, ainda havia a velocidade criminosa em lugares tão impróprios.

Ai, um motoqueiro, também veloz, passou por eles. Mais a frente, porém, parou e retornou. “Se tivesse um carro, eu levaria vocês até o hospital”, foi o que disse. “Mas não tenho um carro. Só essa moto velha”, completou.

Agradecidos pelo interesse, homem e mulher prosseguiram se equilibrando na bicicleta, desviando de buracos e se precavendo dos carros velozes. Às vezes ela pedia que ele parasse por alguns minutos. E lá ficava a mulher respirando fundo, as mãos tocndo a barriga, como se assim fosse possível aplacar a intensidade crescente das dores. O homem, impotente e sem palavras, apenas olhando.

Depois, com dificuldades, retomavam o caminho. A partir de um determinado momento, mesmo de tão longe foi possível ver algumas luzes da cidade. Porém, infelizmente, nem deu para chegar nas imediações da mesma, pois a criança cismou de nascer ali mesmo, na beira da estradinha rural.

No entanto, sob a barulheira ensurdecedora dos fogos de artifício que de repente explodiram na  noite, perdeu-se muito do impacto do choro cheio de vida do recém nascido.

Aliás, a mesma barulheira dos fogos de artifício impediu também que se ouvisse a imensa e bela cantoria dos anjos que costumeiramente nessa noite cantam do céu para anunciar  coisas novas e maravilhosas sobre a Terra.