Páginas

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

"FILANTRÓPICAS" BRIGAM
PELA SAÚDE DE TAUBATÉ

O Instituto de Gestão de Projetos da Noroeste Paulista – Gepron, com sede em Araçatuba, é uma dessas organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIP) criadas após a edição da lei federal 9.790/99, época em que FHC terceirizava tudo o que podia e o que não podia, inclusive a saúde pública, para os empresários lucrarem sob patrocínio do Estado.

Não fosse isso, porque a Gepron interpôs recurso para impugnar a vencedora do chamamento público nº 07/13, da “parceira” que a Prefeitura de Taubaté pretende contratar para gerir o Pronto Socorro Municipal, o Pronto Atendimento da Gurilândia,, o Pronto Atendimento do Cecap e a Policlínica Municipal pelo prazo de dois anos, prorrogável até o limite de cinco anos?

Por que o futuro ex-prefeito mandou seu irmão Diego Ortiz, o secretário de Saúde João Ebran e o vereador desnecessário Joffre Neto (PSB), além de dezenas de enfermeiras e auxiliares de enfermagem para pressionar o Conselho Municipal de Saúde a aprovar a terceirização pretendida?

O convênio a ser celebrado com entidade filantrópica, “sem fins lucrativos”, deve ser muito atraente financeiramente falando. Afinal, por que uma “filantrópica”, instalada numa cidade distante 646 quilômetros de Taubaté se interessaria por esta urbe quase quatrocentona “sem fins lucrativos”? Difícil acreditar!

Tem caroço neste angu.

Abaixo, o comunicado da Prefeitura na edição desta quinta-feira (09/01/14), em que Ortiz Junior nega provimento ao recurso da Gepron. O futuro ex-prefeito de Taubaté tem pressa em fatiar a cidade e oferecê-la à sanha dos empresários.