Páginas

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

VELHOS CARNAVAIS

Camões Filho, jornalista, poeta, pedagogo

Houve um tempo em que carnaval
Era chamado de tríduo momesco.
Tinha entrudo, uma festa bem legal,
Verdadeiro espetáculo burlesco.

Desfilavam pierrô e arlequim,
Tinha escolas com samba no pé,
Profusão de amor, paz e alegria,
Nas velhas ruas da minha Taubaté.

Cada moça com sua fantasia,
Levava ao público alegria sem fim,
Deixando um rastro de magia
Como se ela desfilasse só pra mim.

Confetes e serpentinas colorem a avenida
Onde desfilei todos os meus sonhos,
Sem saber que tudo passa nessa vida,
E que depois da festa vêm dias tristonhos.

Entre mil palhaços nos salões
Eu buscava pela musa dos meus ais,
Sem saber que as quimeras e paixões
Eram ilusões dos velhos carnavais.