Páginas

terça-feira, 4 de março de 2014

A ASCENSÃO DO DR. OZÓRIO

Não é característica deste blog exaltar figuras públicas, que devem  desempenhar com sucesso as funções para a qual foram eleitas ou aprovadas em concurso público.

Abrirei uma exceção para o destemido promotor público Antonio Carlos Ozório Nunes, responsável pela investigação eleitoral que culminou com a cassação do prefeito José Bernardo Ortiz Monteiro Junior, aqui tratado como futuro ex-prefeito.

Em setembro do ano passado, o Dr. Ozório, como é conhecido em Taubaté e nos meios forenses, foi nomeado membro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Presta seus serviços, desde então, na Comissão da Infância e Juventude do órgão, em Brasília.

Alexandre Garcia entrevista, na Globo News, Vitore Maximiano e Antonio Carlos Ozório Nunes, do CNMP
Modesto, o promotor público, natural de São Luiz do Paraitinga, não “propagandeia” a importância e o reflexo de seu trabalho nas relações familiares entre menores, adolescentes e adultos por todo o Brasil.

A TV paga Globonews reconheceu.

O programa de Alexandre Garcia entrevistou o Dr. Ozório e o secretário nacional de políticas sobre drogas Vitore Maximiano sobre o abandono de menores.

Maximiano disse que 80% dos usuários de crack estão fora da escola ou sequer terminaram o ensino fundamental, causando prejuízo à formação profissional do menor.

Ozório defendeu um esforço concentrado dos governos nas áreas da saúde e, sobretudo, na educação, para tirar os menores do caminho das drogas.

Dr Ozório durante entrevista na Globo News
Contra a institucionalização do menor, ou seja, sua internação ainda na primeira infância, o Dr. Ozório lembrou que não faz parte de nossa cultura a adoção de menores que precisam de família para o seu desenvolvimento intelectual.

O programa não esgotou o assunto, nem era esta a pretensão.

Serviu para mostrar as dificuldades que cercam os menores no Brasil, notadamente na primeira infância, e a importância do trabalho desenvolvido pelo promotor público Antonio Carlos Ozório, agora, merecidamente, membro do Conselho Nacional do ministério Público.