Páginas

quinta-feira, 27 de março de 2014

ALCKMIN NÃO CONSEGUE CONVENCER
O RIO SOBRE A ÁGUA

José Carlos Cataldi, jornalista e advogado

Polêmica da água do rio Paraíba do Sul pode ir mais longe do que o governo de São Paulo imagina. Estados por onde o rio passa entendem que o governador Geraldo Alckmin não pode dispor do manancial sem fazer consulta.

Me espanta a declaração do Governador, indicando que não precisa consultar ninguém sobre desvios na bacia do Paraíba do Sul para alimentar represas falidas, e suprir o abastecimento à capital paulista. O governador ignora o pacto federativo, uma vez que afetaria o interesse de mais 2 estados: Minas Gerais e Rio de Janeiro.

No próprio estado de São Paulo há quem conteste. O deputado federal Junji Abe, do PSD paulista corre em defesa de agricultores que vivem momento de grande tensão em Mogi e no Vale histórico, inclusive Pindamonhangaba.

Do estado do Rio vem protesto técnico. Estudo do Instituto Estadual do Ambiente aponta alta criticidade na bacia do rio Guandu, engrossado com a água do Paraíba para abastecer 90 por cento da capital e baixada fluminense.

O nível de comprometimento da disponibilidade hídrica atual para o Rio de Janeiro é de mais de 73 por cento.

Ainda de acordo com o Inea, “mesmo que a intervenção ocorra no território de São Paulo, os impactos podem alcançar o Rio de Janeiro e agravar o não cumprimento do pacto federativo em vigor”.

Pior o estudo sinaliza que o Paraíba do Sul está secando em sua nascente.
É para pensar mais na necessidade de água a longo prazo no atacado e menos no modo simplista de atuar no varejo eleitoral.

Falei e disse!