Páginas

sábado, 8 de março de 2014

EXPECTATIVA EM TAUBATÉ
COM FUTURO DE ORTIZ JUNIOR

A classe política desta urbe quase quatrocentona vive momentos de expectativa com a possibilidade, cada vez mais plausível, de Ortiz Junior ter sua cassação em primeira instância confirmada pelo TRE. O julgamento do recurso do tucano pode se realizar até o final deste mês, em plena Quaresma.

Não me preocupa o futuro político de José Bernardo Ortiz monteiro Junior, que consegue manter, não se sabe a que preço, os melhores advogados deste país na área eleitoral, como Arnaldo Malheiros, com 50 anos de experiência nos tribunais eleitorais. Uma grife para poucos endinheirados.

O exército de advogados de Ortiz Junior, sob o comando de Malheiros, consegue, há meses, prorrogar a morte política do futuro ex-prefeito de Taubaté. Documentos são anexados ao processo 587-38.2012.6.26.0141 em conta-gotas, para retardar o julgamento do recurso eleitoral.

Uma das definições da chicana para retardar o julgamento do recurso eleitoral pode ser encontrada no Grande Dicionário Sacconi de Língua Portuguesa: “Manha de prolongar uma contestação ou discussão, mediante meios evasivos e trapaças, artifícios, cavilações, etc., para levar vantagem; malandragem”.

Os advogados de Ortiz Junior, pela experiência que tem, sabem que o TRE manterá a cassação decretada pela Justiça Eleitoral de Taubaté, com base em provas documentais, por abuso de poder político e econômico por parte do tucano.

Eles lutam para que a derrota no TRE não seja acachapante, do tipo 6 a 0, e, se possível, que dois ou três juízes admitam a possibilidade de Ortiz Junior permanecer no cargo até o julgamento de novo recurso, desta vez em Brasília.

Até o mês de maio saberemos, com certeza, se teremos novas eleições em Taubaté. O TSE não deixará para o segundo semestre o julgamento de novos embargos. Afinal, 2014 é ano de elegermos presidente, governadores, deputados e senadores. Não permitirão que Taubaté atrapalhe o calendário eleitoral.