Páginas

segunda-feira, 31 de março de 2014

JOFFRE NETO É UM FINÓRIO

Joffre Neto, aqui chamado de Catão da Vila São Geraldo, é arrogante, manipulador, traidor. Um vereador desnecessário, que perdeu sua principal assessora por sua soberba incontida. Joffre Neto conseguiu transformar amigos em inimigos após se eleger vereador e revelar-se desnecessário.

O Catão da Vila São Geraldo é um ser abominável e abominado por antigos correligionários, que o ajudaram quando era um reles desempregado, inclusive escrevendo relatórios para a Câmara Municipal de Caçapava para que ele a autografasse e entregasse como se fosse de sua lavra.

Joffre Neto me obriga a repetir que minha vida pública, quer na Polícia Civil (na qualidade de investigador) quer na Prefeitura de Pindamonhangaba (como presidente da Fundação Dr. João Romeiro) é transparente.

Enganador, o Catão da Vila São Geraldo deve propor uma Moção de Desagravo contra mim, como se estivesse verdadeiramente indignado com a crítica que fiz ao Padre Tequinho que usa a Igreja para pregar a cizão política do país.

O suposto engenheiro me chama de suposto jornalista. Joffre Neto tentou me contratar para a sua assessoria quando presidiu a Câmara Municipal de Taubaté. Recusei, educadamente, o convite. Quem me ofereceu uma “boquinha” no serviço público foi o Catão da Vila São Geraldo.

Sou obrigado a dizer pela enésima vez que contra mim não há nenhum processo por improbidade administrativa, nem nunca houve, como o que Joffre Neto responde na Vara da Fazenda Pública de Taubaté por fraudar uma licitação pública na própria Câmara Municipal de Taubaté.

A calhordice do Catão da Vila São Geraldo é inesgotável, mas repetitiva.

Ele já escreveu, mentirosamente, que fui “demitido” pelo Conselho da Fundação Dr. João Romeiro. Não fui. Meu nome contava na lista de conselheiros oito meses após minha saída da Fundação. Foi uma questão burocrática tão somente.

Mas o Catão da Vila São Geraldo insiste na mentira deslavada, na mesquinhez de sua argumentação eivada de chavões que a direita usa para tentar desqualificar seus críticos.

Joffre Neto poderia explicar para os católicos que ajuda a manipular para obter dividendos políticos sobre o processo 0020937-19.2011.8.26.0625 que tentou transformar em segredo de justiça, mas foi impedido pelo Tribunal de Justiça.

Desafio o Catão da Vila São Geraldo a publicar um processo por improbidade administrativa que eu esteja respondendo ou já respondi.

Os processos criminais que respondo foram instaurados por minhas opiniões jornalísticas. Há também processos cíveis contra mim, igualmente por publicações jornalísticas em meu blog. Nenhum por improbidade.

Um destes processos, inclusive, foi movido por sugestão do Catão da Vila São Geraldo, que agora faz a mesma sugestão ao Padre Tequinho, chegando a sugerir, na última sessão de Câmara, minha prisão.

Joffre Neto, que já mandou jornalista à PQP, sugere minha prisão porque sabe que eu sei das suas falcatruas e que irei revelá-las para o distinto leitor deste blog.

O Catão da Vila São Geraldo tem rabo de palha. Eu não tenho.

Aqui, o vídeo em que Joffre Neto manda um jornalista à PQP.


 Aqui, certidão do Tribunal de Contas para comprovar, mais uma vez, que sai da Fundação Dr. João Romeiro de cabeça erguida, como havia entrado em 2005.



DESAGRAVO AO PADRE TEQUINHO

Na madrugada de hoje ficamos perplexos em ler uma matéria publicada por um suposto jornalista, dito Irani Lima, intitulada: "Padre Tequinho é um babaca!"
A matéria é tão agressiva, tão suja, tão violenta, que incomoda apenas de correr os olhos sobre ela. O sacerdote é chamado de "homem abominável", "enganador", explorador de dízimo, vomitador de sandices, etc.

Por que tanto ódio? Porque esse suposto jornalista, que sempre viveu pendurado nos políticos do momento, indo da extrema direita, à extrema esquerda, agora procura se aproximar cada vez mais do grupo político que lhe parece mais forte, o PT, e o Padre Tequinho publicou um apelo forte contra esse partido.

Irani Lima além de suposto jornalista tem fortes ligações políticas que lhe renderam, por exemplo, uma boquinha cobiçada em Pindamonhangaba: a presidência da Fund. Dr. João Romeiro. É uma fundação meritória criada por Alckmin, quando prefeito. Eclético, ele também tem ligações com um adversário político de Alckmin, o ex-deputado Ary Kara, e já exerceu cargo, inclusive, na Polícia Civil.

Daquela Fundação, Irani Lima foi tirado por decisão unânime do Conselho de Administração da entidade, onde suas contas foram julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado (veja aqui:http://migre.me/ivXDS)

Por fim, eu, como católico, senti-me pessoalmente ofendido. Como autoridade pública, não posso deixar prosperar essa postura de ódio, em que a "liberdade de expressão" virou "liberdade de agressão" ilimitada.

Hoje não havia tempo hábil, mas proporei imediatamente à Câmara Municipal Moção de Desagravo ao Pe. Tequinho e de Repúdio a esse agressor.

A matéria suja está reproduzida em imagem nos comentários.