Páginas

quinta-feira, 17 de abril de 2014

O TRÂNSITO EM TAUBATÉ,
NOS CORDÉIS DE SILVIO PRADO

POR FAVOR...

Dona Lola, por favor
Esqueça logo São José
Ponha na sua cachola
Que aqui é Taubaté
Terra tão hospitaleira
Onde o povo ainda tem fé
De que mesmo tendo carro
Um dia vai andar a pé.

Ora, distinta madame
Não é brincadeira não
Nossas ruas entupidas
E trânsito sem solução
Andando zero por hora
Indo até na contra mão
Da razão e do bom senso
Que perderam a direção.

Como é que a gente faz
Pra desfazer o mal feito
E desfazendo o errado
Quem sabe até ache jeito
De acertar esse trânsito
Onde seu melhor defeito
É ter largura demais
Pra projeto tão estreito?

TRÂNSITO EM TRANSE

Vinha da Independência
Buscando alcançar a Monção
Mas eu me vi de repente
Chegando no Mercadão
Por destino tão estranho
Que me deram como mão. 

Algumas horas depois
Entrei numa outra fria
Querendo vir da Estiva
Pra chegar no Três Marias
Mas me vi em Quiririm
Coisa que jamais queria.

Depois senti o dilema
Quando vindo do Areão
Pensando que em minutos
Veloz como um avião
Na casa dum velho amigo
Chegaria na Monção.

Não cheguei como queria
Já tendo hora marcada
Pois o trajeto traçado
Indicando o Esplanada
Me fez perder hora e meia
Passando pelo Imaculada.

Assim, a semana inteira
Sofri muito em Taubaté
E conclui ser vantajoso
Despertar em mim a fé
De por o carro na garagem
E sair andando a pé.