Páginas

sábado, 19 de abril de 2014

TRIVIAIS E VARIADOS 2014

Publicado originalmente pelo Diário e Taubaté

Celso Brum, sociólogo

DATAS – O cardeal de Richelieu, poderoso primeiro ministro do rei Luís XIII, da França, disse, certa vez, que “a traição é uma questão de datas”.

Há duas semanas, eu ia escrever um artigo ao qual daria o título “É preciso ter cuidado com a História”, no qual falava sobre pessoas que dizem coisas, tomam decisões e perpetram atos dos quais se arrependem tempos depois. Mas aí é tarde e a História já cuidou de condená-las. O artigo não escrevi, mas, dias depois, li a frase do cardeal de Richelieu e não poderia deixar passar.

Já falei aqui no caso Dreyfus, do capitão do exército francês Alfred Dreyfus, acusado de traição. Ele era judeu, e embora não havendo provas conclusivas contra ele, o Tribunal Militar, que o julgou, argumentou, com o que hoje chamaríamos de “domínios dos fatos” e ele foi impiedosamente linchado pela grande imprensa francesa e pela opinião pública manipulável,e, portanto,manipulada.

Dreyfus era inocente, mas ficou preso por 12 anos até que, defendido por Emile Zola e Anatole France, conseguiu ver provada sua inocência e ser reintegrado ao exército.

Relembro esse fato por causa do intitulado “mensalão”, sobre o qual escreverei um artigo quando tudo terminar e está longe disso acontecer. A meu ver, foi um processo de exceção, em que a “grande imprensa” brasileira teve papel decisivo.

Eu nem vou falar que, no “mensalão tucano” , os réus sem foro privilegiado foram remetidos à 1ª instância, com grande chance de prescrição dos seus crimes e que, no caso dos réus, do chamado mensalão do PT, que não tinham foro privilegiado, apesar dos recursos dos seus advogados, foram todos sumariamente julgados por um tribunal que, em nenhum momento, respeitou o princípio elementar da Justiça, que é a presunção da inocência: houve sempre a presunção de culpa. Mas – garanto aos meus caros, raros, fiéis e inteligentes leitores- a História fará um melhor julgamento com toda a certeza. Repito: com toda a certeza.

CREDIBILIDADE – Que credibilidade tem a “grande imprensa”? Hoje em dia, a “grande imprensa” atua como um cartel opinativo: todos são contra o governo e contra o PT. Com todo o direito, diga-se de passagem, eis que vivemos numa democracia, com liberdade de imprensa. Se bem que o frequente uso das expressões “suposto”, “supostamente” e “suposição” para “denunciar” erros do governo e do PT, constitui-se, a meu ver, um abuso da liberdade de imprensa e das regras básicas de um verdadeiro jornalismo, fundamentado apenas nos fatos.

Recentemente, a revista “Carta Capital” publicou que, em 1964, uma pesquisa do IBOPE, não publicada na época, dava conta de que mais de 60% dos brasileiros apoiavam João Goulart. No entanto, a “grande imprensa” mentia que a opinião pública era contra Jango e, baseando-se nesse “fato”, clamaram pelo golpe militar.

De lá pra cá, a “grande imprensa” não mudou: continua direitista e reacionária e, portanto, sem credibilidade e nem respeitabilidade.

BOLA DE CRISTAL – Lembrei-me da minha velha bola de cristal e fui procurá-la no baú das inutilidades domésticas, que guardo no canto mais escuro do porão do meu castelo imemorial. No meio de fungos, ácaros e muito mofo, lá estava ela, ao lado do meu espelho mágico quebrado. Depois de tanto tempo, trouxe minha bola de cristal à luz do dia. Lavei-a e dei-lhe o polimento necessário para que pudesse ler em seu misterioso interior. Queria saber parte do futuro próximo, em especial das eleições de 2014. Vejam o que revelou a minha bola de cristal:

01- Dilma Rousseff será reeleita;
02- No estado de São Paulo haverá 2º turno, Perguntei quem seria o vencedor e a bola de cristal respondeu: “circunstâncias, circunstâncias, circunstâncias...”;
03- O PT crescerá;
04- O PMDB crescerá pouco;
05- O PSD crescerá;
06- O PSDB continuará sua irreversível decadência;
07- O DEM e o PPS (de Roberto Freire, seu destruidor) ficarão próximos da completa extinção;
08- O PSB terá diminuída sua representação política;
09- Aécio Neves, Eduardo Campos e Marina Silva, depois das eleições, penetrarão merecidamente na zona cinzenta do ostracismo, da qual dificilmente conseguirão sair;
10- Crescerá o nome de Roberto Requião como alternativa ao PT, para as eleições de 2018;
11- No novo governo de Dilma Rousseff será decretado o desmatamento zero e haverá a reforma política;
12- Em 2015, Lula vai receber o Prêmio Nobel da Paz;
13- A seleção brasileira vai ganhar a Copa do Mundo de 2014.

Se a minha bola de cristal não tiver acertos de 70%, no mínimo, vou quebrá-la em praça pública ou em frente à redação deste jornal. Quem viver, verá.