Páginas

sábado, 3 de maio de 2014

DILMA VAI PRA CIMA. MALDITO PT!

Por que Dilma foi pra cima do PIG, o maior partido de oposição ao Brasil? É isso mesmo, oposição "ao" Brasil!!!

Por que esse maldito PT tem mania de governar para pobres?

Por que esse maldito PT tem mania de criar empregos com carteira assinada?

Por que esse maldito PT pensa que pode encher aeroportos e aviões de pobres e esvaziar os ônibus e as rodoviárias?

Porque esse maldito PT oferece vagas exclusivas para negros em faculdades federais, além de criar uma dúzia delas nos últimos doze anos? Uma por ano!

Por que esse maldito PT contrata médicos cubanos para atender nossa gente nos rincões nacionais? Só porque nossos médicos se recusam a fazer o mesmo? Que disparate!

Por que esse maldito PT se mete a explorar petróleo em alto mar, no pré sal, com a Petrobrás, quando a Chevron se dispõe a fazer o serviço?

Por que esse maldito PT não corta as milhares de bolsas para estudantes brasileiros aprenderem no exterior? Mania de grandeza?

Por que esse maldito PT construiu milhões de moradias para os pobres terem sua casa própria? Pior ainda, com um carro na garagem, TV de plasma na sala e um jogo de sofá novinho em folha para receber visitas?

Por que esse maldito PT insiste em reajustar o salário mínimo pela inflação do ano anterior e mais 2% sobre o PIB de dois anos antes?

Por que esse maldito PT não pensa nos investidores e aumenta os juros para 30% ao mês, como prometem Aécio e Eduardo? Dilma quer perder a eleição?

Por que esse maldito PT não fecha os estaleiros do RJ, de PE ou do RS e volta a comprar navios em Cingapura, China, Indonésia? Por que essa insistência em manter nossa indústria naval em pé?

Por que esse maldito PT tira 30 milhões de brasileiros da miséria absoluta e põe outros 40 milhões para comprar desbragadamente nossa produção industrial? A Luíza do magazine é a única comerciante que não reclama. Por quê?

Por que esse maldito PT existe? Como fica o PSDB, a Rede, o PPS, o PSB, o DEM, o SDD. Vão acabar?

Criaremos a maior república do proletariado no hemisfério sul?

Se for este o objetivo, contem comigo!

Quá, quá. Quá, quá...



Abaixo, o contundente discurso de Dilma Rousseff no 14º Encontro Nacional do PT, na noite de sexta-feira (02/05)

“Ao Lula Dilma dedicou suas primeiras palavras:

O senhor tem sido o maior líder político que esse país construiu nos últimos anos.

Recebo a missão honrosa e desafiadora de ser a pré-candidata do PT à Presidência.

Meu respeito e carinho a Lula.

Foi o compromisso ao povo brasileiro que nos uniu e esse compromisso é inquebrantável, não se quebra, não se verga.

Mais uma vez, estou aqui diante de vocês e junto com vocês.

É para você, presidente Lula, a quem primeiro me dirijo, e digo-lhe, com todo carinho e respeito, que este ato tem mais do que uma simples coincidência.

Ele é mais uma prova forte e contundente da nossa confiança mútua e dos laços profundos que nos une ao povo brasileiro.

Porque, presidente Lula, foi o compromisso com o povo brasileiro que nos uniu. E esse compromisso é inquebrantável.

Quando você assumiu a presidência, o Brasil era um.

Quando a deixou, o Brasil era outro, completamente diferente e muito melhor.

Assim, quando o sucedi na presidência, tinha a tarefa hercúlea de suceder não um  presidente – mas uma verdadeira lenda.

A faixa não pesou em meus ombros porque havíamos trabalhados juntos, anos a fio. Todos os dias, todas as horas, inclusive nas horas mais difíceis, estivemos juntos honrando o nosso compromisso com o povo brasileiro.

Foi isto que me deu ânimo – e experiência- para enfrentar e vencer todo tipo de dificuldades.

A faixa não pesou porque sabia que tinha a meu lado o povo do Brasil, como Lula teve. Dezenas de milhões de brasileiros a tornaram leve.

Tivemos também o apoio imprescindível dos partidos aliados. Essa coalizão foi fundamental para a governabilidade.

E tivemos, sobretudo, essa incrível e corajosa militância do PT, que nunca nos abandonou.

Mas quando assumi o governo, o mundo era um. Pouco tempo depois, o mundo era outro.

A crise econômica e financeira internacional ameaçou não apenas a estabilidade das maiores economias, mas boa parte do sistema político e econômico mundiais.

Porém, o Brasil, dessa vez não se rendeu, não se abateu, nem se ajoelhou!

O Brasil soube defender, como poucos, o mais importante: o emprego e o salário do trabalhador – e foi o país que melhor venceu esta batalha!

Dessa vez, nós nos recusamos a fazer o que se fazia no passado.

Enfrentamos a crise apostando no futuro do Brasil, apostando na força do nosso povo.

Por isso, temos sido o país que mais está vencendo a luta contra a miséria e reduzindo a desigualdade.

O que consolidou o maior programa de habitação popular do nosso continente. O que implantou o maior programa de educação profissional de nossa história. O que levou médicos a todos os municípios brasileiros. O que melhorou a qualidade do ensino em todos os níveis.  E acelerou os avanços de nossa infraestrutura física e social.

Fizemos muito, mas precisamos fazer muito mais.

Avançamos bem, mas certos obstáculos reduziram, algumas vezes, a nossa marcha.

Estas dificuldades e obstáculos são inerentes a todo governo de mudanças.

Mas o que nos faz governos de mudança é justamente a capacidade de vencer os obstáculos colocados pela vida e, também, pelas forças do conservadorismo

Companheiras e companheiros,

Porque o Brasil, desta vez, não se rendeu, nem se ajoelhou?

Porque nos recusamos a fazer o que se fazia no passado.

No passado, que a nossa oposição tanto defende, o Brasil se defendia das crises arrochando os salários dos trabalhadores, aumentando as taxas de juros a níveis estratosféricos, aumentando o desemprego, diminuindo o crescimento, vendendo patrimônio público.

E não se contentavam em vender o patrimônio do Brasil.

Alienavam, com essa política desastrosa, o futuro do País.

Alienavam o futuro do nosso povo.

E, o que é mais doloroso, a nossa esperança como Nação.

Desta vez, ampliando o que já fazíamos desde o governo Lula, enfrentamos a crise apostando no futuro do Brasil.

Apostando na força do nosso povo.

Assim, criamos 4,8 milhões de emprego, em meu governo. Juntos com os oito anos de Lula temos o recorde de + de 20 milhões com carteira assinada.
Enquanto os outros países desempregavam, nós abríamos vagas de trabalho.

Foi por fazer diferente do passado, que também elevamos o poder de compra do trabalhador e  da classe média

Nos últimos 11 anos o salário do trabalhador teve um ganho real acima de 70%.

E essa política, que eles tanto combatem, vai continuar. Tenham certeza!

Foi por isso, que criamos uma nova e gigantesca classe média no Brasil. 42 milhões de brasileiros entraram, pela porta da frente, no mercado de trabalho e de consumo. Foi por isso que, Lula e eu, fizemos uma verdadeira revolução social no Brasil, retirando 36 milhões de brasileiros da extrema pobreza.

Ainda ontem reajustei os valores do Bolsa Família   em 10%, de modo a assegurar que todos fiquem acima da linha da extrema pobreza, tal como a define a ONU.

Nos últimos 3 anos e 4 meses, foram implantadas 6 grandes melhorias no Bolsa Família que levaram a um aumento real no benefício de 44,3%.

E fizemos muito mais.Implantamos um amplo programa de investimentos públicos.

O MCMV já construiu cerca 1 milhão 650 mil lares para brasileiros pobres, realizando o sonho da casa própria para muita gente.

Com o pacto pela mobilidade urbana, já estamos investindo 143 bilhões que estão melhorando o transporte e o trânsito nas grandes cidades.

Com o pacto pela Saúde e o Mais Médicos estamos levando assistência básica à Saúde a todos os municípios do Brasil.

Em pouco mais de 8 meses, colocamos 14 mil médicos em 3866 municípios, garantindo cobertura  de assistência médica para 49 milhões de brasileiros.

E isto, na periferia dos grandes centros, onde moram os trabalhadores e a nova classe  média. No NE, no NO, nos distritos indígenas e nas áreas quilombolas e,no interior de nosso País.

Os médicos formados no exterior, que vieram com os + Médicos, falam a linguagem universal da solidariedade. O + importante é que eles melhoram as vidas dos brasileiros.

Com o pacto pela Educação, o mais estratégico para o país, estamos fazendo um esforço monumental, que garantirá o futuro de cada brasileiro (a) e o futuro do País.

Com o Pronatec, o Prouni, o Fies e o Enem construímos, como nunca,um caminho de oportunidades e abrimos  as portas da educação para jovens e adultos.

Com o Ciência Sem Fronteiras abrimos o mundo para nossos estudantes se aperfeiçoarem.

Quero reafirmar que, com a nossa decisão histórica de canalizar 75% royalties do pré-sal para a Educação e 50% dos recursos do pré-sal, vamos dar um salto de qualidade decisivo para a Educação pública do Brasil.

Nós também estamos empenhados na construção de um Estado realmente republicano, que seja eficiente e representativo de todos os interesses da população brasileira.

Isso é algo também inédito na história do Brasil.

Nesse ponto, é preciso dizer uma coisa com absoluta clareza e convicção: os governos do PT foram os que mais combateram e combatem a corrupção no Brasil.

Antes de nós, a corrupção era muitas vezes varrida para baixo do tapete. Engavetava-se muito.Investigava-se muito pouco.

Agora, que as gavetas foram abertas, tudo aparece e tudo é investigado.

Os que me conhecem sabem perfeitamente que nunca admitirei nenhum malfeito ou ilícito, venha de onde vier.

Eu sei que o que envergonha um país não é apurar, investigar mostrar. O que pode envergonhar um país é não combater a corrupção, é varrer tudo pra baixo do tapete.

Companheiras e companheiras,

Não comprometemos o futuro do Brasil e do seu povo, como eles fizeram. Ao contrário, apostamos que o futuro do País está justamente na força do povo brasileiro.

Mas tem gente achando que é melhor voltar ao passado em que os pobres e a classe média nunca tinham vez.

São poucos os que querem isto. Mas tem amigos, que falam muito.

Nós somos  muitos e por isso temos de falar muito mais.

Tem gente que acha, por exemplo, que o salário mínimo está muito alto. Que é preciso reduzi-lo.

Tem gente que acha que o desemprego está muito baixo e que é hora de aumentá-lo. Que trabalhador brasileiro está ganhando demais, que é hora de voltar a arrochar os salários.

Tem gente que acha que está na hora do Brasil voltar ter as taxas de juros estratosféricas do passado, para atrair investimento especulativos, facilitar a vida dos rentistas e dificultar o crescimento e a produção do Brasil.

Tem gente que acha que é preciso acabar com o programa de cotas para afrodescendentes nas universidades, como já tentaram acabar com o Prouni.

Com a desculpa de defender a meritocracia, eles defendem, na realidade, uma universidade para ricos e brancos.

Há forças políticas que detestam ainda mais os programas que tiram as pessoas da miséria.

Afinal, eles nunca se preocuparam com os pobres deste país, com a distribuição de renda, com a superação da miséria.

Mas essa é a nossa marca; é a nossa história.

Enfim, minha gente, tem gente que acha que o futuro do Brasil está no passado.

No passado injusto e atrasado(medíocre), o passado  do arrocho, do desemprego, do Apagão, do FMI, da universidade para poucos, do rentismo, da venda do patrimônio público.

Não se enganem, essa é a agenda deles. É a agenda do retrocesso. É a volta do Brasil para poucos.

Companheiras e Companheiros,

Eu quero falar para vocês algo que está engasgado na minha garganta. Algo que está guardado no meu peito de cidadã brasileira.

Eu não fui eleita para arrochar salário de trabalhador!
Eu não fui eleita para virar as costas para os pequenos empreendedores do nosso País

Eu não fui eleita para desempregar trabalhadores e trabalhadoras do Brasil!

Eu não fui eleita para vender ou mudar o nome da Petrobras e entregar o Pré-sal!

Eu não fui eleita para mendigar dinheiro no FMI!

Eu não fui eleita para tornar a saúde do Brasil um privilégio de alguns!

Eu não fui eleita para fazer da Educação um caminho estreito!

Eu não fui eleita para varrer a corrupção para debaixo do tapete, como faziam!

Eu não fui eleita para colocar, de novo, o país de joelhos, como eles fizeram!

Eu não fui eleita para trair a confiança do meu povo!

Eu fui eleita para governar de pé e com a cabeça erguida. E é isso que eu vou continuar a fazer, ao lado do povo brasileiro e com a ajuda dessa militância incrível que sempre nos dá forças e inspiração!

​Companheiras e Companheiros,

Minha agenda é outra. É agenda de quem está, de fato, ao lado do povo do Brasil.

Minha agenda é a agenda do futuro. A agenda de quem já fez muito e, por isso, pode fazer muito mais.

Nós podemos fazer isso porque nós, do PT, somos a grande força política inovadora do Brasil.

É hora de avançarmos com as reformas profundas que tanto o Brasil precisa.

Isso começa com a reforma política, porque sem ela não construiremos a sociedade do futuro que o Brasil quer ver nascer.

Os nossos governos estão promovendo uma verdadeira transformação social no país e isso criou as bases cidadãs para a promoção de uma transformação democrática e política no Brasil.

Encaminhei ao Congresso Nacional uma proposta de consulta popular para que o povo brasileiro possa debater e participar ativamente da reforma política. Sempre estive convencida que sem a participação popular não teremos a reforma política que o Brasil exige.

Nossa missão, agora, é realizá-la.

Nessa nova campanha presidencial, colocaremos a reforma política como algo estratégico e decisivo para o futuro da democracia brasileira.

Companheiros e Companheiras,

O rancor que os saudosistas do passado têm de nós provém do nosso êxito, não do fracasso pelo qual eles tanto torceram e tanto torcem.

Nós mostramos que outro mundo é possível, que outro Brasil é possível.

Esse novo Brasil não aceitará retrocessos, mesmo que eles sejam travestidos de aparente novidade.Da estranha novidade de medidas que eles denominam de “impopulares” quando deveriam chamá-las “antipopulares”.

O Brasil não voltará no tempo. Não será conduzido pelo rancor,pelo ódio e o ressentimento.

Sabemos de onde viemos e sabemos para onde vamos. Temos a régua e o compasso das grandes lutas populares. Temos a bússola das eternas utopias libertárias e igualitárias. E, em nosso sangue, o sangue que muitos de nós derramamos, corre a democracia.

O único rumo possível para o Brasil é avançar ainda mais em direção a um futuro de maior igualdade, de mais oportunidades para todos, de maior distribuição da renda, de maiores salários para os trabalhadores, de mais direitos, de mais democracia, de mais educação e inovação. Para nós que sempre queremos e lutamos por mudança toda conquista é apenas um começo.

Quero dar uma palavra sobre a copa. Ela vai ser um sucesso. Quero transmitir a vocês um comentário feito para mim: “É engraçado, a gente adora futebol! Somos o país do futebol, a gente acompanha todas as Copas, torcendo e, se diverte. Agora que é aqui no Brasil não podemos aproveitar… Por quê? Porque a política não deixa….. fica todo mundo criticando, falando mal da Copa…”.

O​rumo do Brasil é o futuro desejado pela generosidade, a solidariedade e o amor do nosso povo, não o passado acalentado pelo rancor ou pelo ressentimento destes que já derrotamos em 3eleições presidenciais e que derrotaremos, de novo, nesse próximo pleito.

Tenham certeza disso!

Porque desse novo Brasil que estamos construindo não há volta possível!

Vamos avançar no rumo certo!

Avançar sempre ao lado do povo!

VIVA O PT!
VIVA O BRASIL!

VIVA O POVO BRASILEIRO!”