Páginas

sexta-feira, 27 de junho de 2014

JOFFRE: BABACA, CANALHA E MENTIROSO

O vereador Joaquim Marcelino Joffre Neto (PSB), aqui chamado, em tom pejorativo, de Catão da Vila São Geraldo, pelo falso moralismo que exala em sua fala empolada e seus textos rebuscados, é um ser abjeto, desprezível, que não merece comiseração de quem o conhece.

Publiquei neste blog quarta-feira (25/06) matéria informativa sobre a audiência de instrução e julgamento que ocorrerá no próximo dia 13 de agosto, na qual os vereadores Carlos Peixoto e Joffre Neto respondem por improbidade administrativa na Vara da Fazenda Pública de Taubaté.

O Catão da Vila São Geraldo, incomodado com as verdades veiculadas neste blog, escreveu no Facebook mais um de seus textos rebuscados, com o qual tenta enganar e confundir os leitores em sua viagem demente pelo mundo da manipulação, acreditando que será capaz de destruir minha reputação com uma falácia inócua e mentirosa.

Aqui, o texto da lavra do Catão da Vila São Geraldo, que numerarei para os leitores entenderem o que responderei abaixo:

"NOVAMENTE A CANALHICE

Caros, creio que lembram-se, sem conseguir evitar o asco, de um certo cidadão que atacou vilmente o Pe. Tequinho e foi (1) censurado publicamente pela Câmara, (fato que não acontecia há décadas) e vai levar essa mácula para o resto de sua vida. Só isso seria suficiente para falar do caráter desse infeliz, conhecido como Irani Lima, que se diz (2) jornalista, mas que entre outras passagens obscuras de sua vida, passou pela (3) Polícia Civil e de lá saiu em circunstâncias a serem esclarecidas, além de ocupar boquinhas, como serviçal, em assessorias de políticos (de qualquer lado: ele não tem preferências ideológicas, apenas monetárias) e de (4) sindicatos. Pois bem, mas ele vai além: como os abutres, alimenta-se de (5) podridão. Quando não a encontra, ele mesmo a produz, como acaba de fazer mais uma vez contra minha pessoa, agora envolvendo (6) minha família, em novo ataque sórdido, publicado hoje. A canalhice que ele divulga vem sendo curtida por gente da mesma espécie dele: (7) Marcos Limão, Cidinha Costa, Kelly Alessandra, Mauro Esteves Flavio Poriot André Leone e Thelma Ortiz - esta última, Thelma Ortiz, servidora da Prefeitura, surpreendeu-me especialmente, pela falsidade: quando se encontra comigo sorri, abraça-me, beija-me, louva-me, bajula-me, diz-se admiradora. Mas está ótimo: recente decisão do (7) Tribunal de Justiça começou a colocar limites a essas agressões e puniu não só um autor de injúrias e difamações, quanto aqueles que as curtiram e compartilharam, como cúmplices. Veja aqui: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/39175/39175 Vai ser uma delícia. " Lembre-se: As publicações que você ocultar de sua linha do tempo ainda poderão aparecer no Feed de Notícias e em outros lugares no Facebook. Saiba mais sobre marcação no Facebook.

O texto empolado do vereador desnecessário é pura tergiversação. Joffre Neto foge do debate que interessa: a informação de que responde por improbidade administrativa em Taubaté e, brevemente, pelo andar da carruagem, em São Luiz do Paraitinga.

Ao texto rebuscado do Catão da Vila São Geraldo, respondo com documentos, como sempre fiz, para comprovar o que escrevo. Vamos às respostas:

1) Critiquei o Padre Tequinho e o criticaria novamente por usar de seu poder de clérigo para enganar os incautos sobre as eleições que estão chegando. A moção de desagravo a que Joffre Neto se refere recebeu o apoio de apenas 12 dos 19 vereadores da Câmara Municipal. Não houve unanimidade, portanto. Quem conhece verdadeiramente Joffre Neto não assina suas moções.

2) Não digo que sou jornalista. Eu sou jornalista e fui professor de jornalismo na Unitau entre 1993 e 2002. Alguns dos meus ex-alunos hoje trabalham na televisão e em importantes jornais regionais. Procure saber quem são eles e faça uma pesquisa sobre este ex-professor.

3) Joffre Neto é inescrupuloso, embusteiro, enganador. Canalha, mentiu na Justiça e mente agora. Saí da Polícia Civil por vontade própria. Pergunte ao cunhado da sua colega vereadora Maria Gorete, o ex-delegado José Francisco da Silva, que foi meu chefe no Setor de Investigações Gerais (SIG), quem foi o investigador Irani Lima. Aliás, o Dr. Francisco era o meu chefe quando recebi quatro balaços de um bandido no cumprimento de meu dever.

4) Fui assessor de imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos numa época de dura repressão contra os trabalhadores. Lembra-se, Catão, da greve dos metalúrgicos de 1985? Pois é, eu estava lá, recebendo a imprensa de todo o país para dar a versão do Sindicato sobre a greve e suas consequências para os trabalhadores.

5) A podridão a que se refere o vereador desnecessário foi provocada por eles mesmo. Quem envolveu a família de Joffre no processo que responde por fraudar licitação pública para ganhar um dinheirinho quando estava desempregado foi o próprio vereador, como pode ser comprovado no documento que reproduzo abaixo.

Peço especial atenção para o item 14 do despacho saneador do juiz da Vara da Fazenda Pública de Taubaté. Está escrito ipsis litteris: (...) sua procura pelo Promotor de Justiça, em ‘conversa particular’, desde o início (...) em razão da situação familiar extremamente grave que vivia, doença da mulher, (...) chegando a afirmar que as assertivas dos autos, descrevendo a cronologia dos fatos, tendo se equivocado, inclusive, porque a pessoa que estava doente e precisava de atendimento médico não era sua companheira, mas sim sua esposa, pois dela estava divorciado”.

NOTA DA REDAÇÃO - Joffre Neto, que equívoco é este? Primeiro você diz em juízo que uma doença grave acometia sua companheira e depois se desdiz para retificar a afirmação anterior e dizer que a paciente era sua ex-mulher, de quem estava divorciado. Como é possível cometer um equívoco dessa magnitude?

7) Joffre passa a ameaçar pessoas que curtiram a publicação do blog, chamando-as de cúmplices e remete-as para uma notícia publicada em dezembro de 2013. O Catão da Vila São Geraldo finge que desconhece a aprovação do marco regulatório da internet recentemente pelo Congresso Nacional que permite aos usuários "curtir" e até replicar postagens. A minha postagem, curtida e/ou compartilhada pelas pessoas citadas, contém verdades que o Catão da Vila São Geraldo sempre quis esconder do público

Não estava em meus planos publicar o despacho saneador abaixo. Porém, provocado por um vereador babaca, canalha e mentiroso, sou obrigado a fazê-lo. Desde já me desculpo com os leitores pela diatribe, mas é impossível se calar diante de ser tão repugnante.