Páginas

domingo, 13 de julho de 2014

COPA TERMINA COM VITÓRIA DO BRASIL

Independente de quem fique com a taça da Copa das Copas no campo, se Argentina ou Alemanha, pouco importa, o campeão foi o Brasil, mostrado para o Mundo não como o país do futebol ou do carnaval.

O Brasil foi apresentado como um país capaz de organizar megaeventos como a Copa do Mundo sem nenhuma mácula. O vexam ficou por conta do nossa seleção, da comissão técnica e de dirigentes ultrapassados.

O contraste entre um e outro foi flagrante.

Estádios modernos, povo alegre, hospitaleiro, recebendo alemães, argentinos, franceses, italianos, espanhóis, argelinos, ganeses, ingleses, holandeses, colombianos, americanos, japoneses, argelinos, chilenos, mexicanos, costa-riquenhos, croatas, russos, gente do mundo inteiro.

Os milhares de estrangeiros que aqui estão quererão voltar porque testemunharam a nossa hospitalidade, a nossa simpatia, o calor humano do brasileiro, as nossas belezas naturais desde a Amazônia ao pantanal mato-grossense, nossas praias no Rio de Janeiro, no Ceará, na Bahia e no Rio Grande do Norte, o cerrado em Brasília e as montanhas alterosas em Minas Gerais, as belas capitais do Rio Grande do Sul e do Paraná.

Os “gringos”, principalmente os americanos, europeus, asiáticos e africanos, voltam para casa após terem descoberto um Brasil diferente daquele que os nossos meios de comunicação massacram há anos, passando a falsa impressão que somos um país de incompetentes, indolentes, que jamais seria capaz de organizar um evento desta magnitude.

O complexo de vira-latas, detectado por Nelson Rodrigues nos anos 1950, é um dos entraves para o nosso crescimento porque a mídia (maldita mídia!) sempre jogou nossos sonhos por terra. A mídia (leia-se Rede Globo) tomou conta do futebol, nosso maior patrimônio cultural.

Esta mesma mídia perversa, agora tenta vender que o fracasso da seleção é o fracasso de um governo trabalhista. Querem jogar no colo da presidenta Dilma a “culpa” pelos dois últimos massacres que a seleção sofreu no futebol (7 a 1 para a Alemanha e 3 a 0 para a Holanda).

O tucano Aécio Neves, que postou em seu Facebook fotos ao lado de José Maria Marin e de Ricardo Teixeira, acusava Dilma de fazer uso político da Copa. Agora a acusa pelo fracasso da seleção.

A mídia coxinha, safada, ordinária, perversa, que passou anos afirmando que não teríamos Copa porque as obras no entorno dos estádios não ficariam prontas, que os voos atrasariam porque os aeroportos não ficariam prontos a tempo de servir os turista que vissem assistir a Copa in loco.

Esta mídia, que fez de tudo para atrapalhar o sucesso da Copa das Copas, agora tenta usar a desastrada campanha da seleção para culpar o governo pelo fracasso que é de Filipão e da própria Rede Globo, que manda no futebol  brasileiro, escolhe quem serão nossos ídolos e influi, negativamente, na escolha dos selecionáveis, mesmo que indiretamente.

Em agosto, no horário eleitoral gratuito, Dilma mostrará para o povo brasileiro, de Norte a Sul, de Leste a Oeste, tudo o que foi e está sendo feito em 12 anos de governo trabalhista, que nos alçaram à condição de 6ª maior economia do Planeta.

Estação Itaquera do Metrô: obra de mobilidade urbana construída para
a Copa do Mundo, ainda com cheiro de tinta, para regalo dos corinthianos
Obras rodoviárias, ferroviárias, ampliação de portos e aeroportos, obras de mobilidade urbana para a Copa do Mundo, como a que testemunhei no Itaquerão do Corinthians, com um metrô novinho em folha dando acesso ao estádio, a 20 minutos da Praça da Sé.

Ainda nem falei da transposição do Rio São Francisco, que levará água a centenas de cidades nordestinas no polígono das secas e a extração de petróleo do pré-sal, que já ultrapassou a marca dos 500 mil barris/dia.

O que tem Aécio para mostrar?

Fotos com Marin e Ricardo Teixeira inaugurando o Mineirão? Ou fotos do helicóptero do pó, de seu amigo Perrella, apreendido com 500 quilos de cocaína no ES?

O tucano não poderá mostrar nenhum obra que tenha levado tijolo e cimento do período FHC porque elas simplesmente não existem. Nem em MG, onde foi governador.

Em compensação, poderá falar da privatização da telefonia, da Vale, da tentativa de sucatear a Petrobras, da... (quá quá quá quá)