Páginas

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

ORTIZ JR DIZIA SER CONTRA A
CORRUPÇÃO: ENTÃO LEIA ISTO!

Há três anos, exatamente de 12 para 13 de agosto de 2011, Taubaté estava em chamas. O mundo político aguardava com ansiedade a cassação do ex-prefeito Roberto Peixoto pela Câmara Municipal.

Os então pré-candidatos a prefeito de Taubaté, Ortiz Junior (PSDB) e Padre Afonso (PV), pouco esforço fizeram para cassar o mandato de Peixoto. Faltou convicção e sobrou medo aos dois políticos.

O afastamento de Peixoto significaria a ascensão da vice-prefeita Vera Saba (PT) ao poder, o que tornaria pedregoso o caminho que Junior e Padre Afonso pavimentavam rumo ao Palácio do Bom Conselho.

A assessoria de Ortiz Junior publicou, em 21 de dezembro de 2011, o comentário abaixo sobre a caminhada de Peixoto a Aparecida, publicada no dia 31 de agosto do mesmo ano, 18 dias após sua absolvição pela Câmara Municipal..



O ex-prefeito Roberto Peixoto, que ainda responde a dois processos, um por improbidade e outro por lavagem de dinheiro, no Tribunal Regional Federal (TRF-3), deve estar morrendo de rir com a situação do tucano.

Manifestantes contra Peixoto se calam para Ortiz Junior
A ONG Transparência Taubaté, mais opaca que vidro embaçado, movimentou a cidade com protestos e passeatas para exigir da Câmara Municipal a cassação de Peixoto.

Esta mesma ONG, que ajudou Joffre Neto a se empregar como vereador, hoje se cala vergonhosamente diante do descalabro que se tornou a administração municipal.

Pior é ler, estupefato, que o Catão da Vila São Geraldo tem a desfaçatez de afirmar que Ortiz Junior não é “bandido” e por isso o apoiou na eleição de 2012.

De onde vem a percepção do Catão sobre “banditismo“ou não de Ortiz Junior. Quem está falando em “bandidagem” é o vereador desnecessário Joffre Neto.

Por analogia, ao afirmar que Ortiz Junior não é “bandido”, é possível e correto afirmar que Peixoto também não é ”bandido”, pois nenhum dos dois tem sentença transitada em julgado que diga o contrário.

É, portanto, leviandade afirmar que um não é bandido e sugerir que o outro é.

O velho dito popular diz que “o tempo é o senhor da razão”.

Nada mais verdadeiro!

Três anos depois de prometer acabar com a corrupção em Taubaté, Ortiz Junior, que já naquela época estava metido até o pescoço com atos de improbidade na FDE, da qual nem era empregado, tem seu cargo ameaçado justamente por... corrupção.