Páginas

terça-feira, 26 de agosto de 2014

TIRIRICA, ESPELHO DA
POLÍTICA BRASILEIRA?

Luiz Flávio Gomes, jurista*

Gaudêncio Torquato (Estado 24/8/14: A2) bem resumiu o quadro: "A palhaçada chama a atenção pela estética escatológica. Tiririca, de peruca e vestido de branco, parodiando o cantor Roberto Carlos na propaganda do grupo que lidera o processamento de carnes no mundo, espeta bifões, entremeando risadas incontroláveis (e sem nenhum nexo) com estrambólica versão da música O Portão, interpretada pelo Rei: "Eu votei, de novo vou votar, Brasília é o seu lugar". Em 2010, o deputado açambarcou 1,3 milhão de votos embalado por um jingle em que prometia: "Vote no Tiririca, pior do que tá não fica". O profeta acertou na mosca. O quadro político pouco mudou, reformas tão clamadas e prometidas ficaram ao léu e Brasília continuará a ser lugar aprazível para o ex-palhaço, que continua a brincar de circo". Mas, em Brasília, enquanto alguns brincam de circo, outros fazem coisas sérias: são os vigaristas (políticos e agentes econômicos e financeiros inescrupulosos) que desviam o orçamento público para o bolso deles.

Por que somos como somos?  Por que o Brasil é assim?

Tudo começou entre 13 e 14 bilhões de anos, com o Big Bang (a grande explosão germinadora dos planetas e das galáxias). Uma estrela explodiu (era composta de hidrogênio, hélio, carbono, nitrogênio, oxigênio e ferro) e seus elementos formaram o Sol, os planetas, as galáxias e os nossos corpos (veja Punset, Por qué somos como somos, p. 25).  Pode haver outro planeta com seres inteligentes? Sim, se todos esses elementos se combinaram sob as mesmas condições. Todos nós, incluindo o escatológico Tiririca, os demais políticos e a política brasileira, somos frutos dessa explosão germinal.

Mas entre ela e o descobrimento do Brasil ("achamento" diria Vaz de Caminha, em 1.500), sabe-se que nosso território (latino americano) foi invadido (apropriado e explorado) por alguns brancos europeus ibéricos (espanhois e portugueses) da pior qualidade moral e ética que se possa imaginar.

Alguns esquemas conceituais, correspondentes a estereótipos vulgares que nos caracterizam e nos explicam (afirma Darcy Ribeiro, na apresentação do livro A América Latina - Males de origem, de Manoel Bomfim, 2005, p. 12 e ss.), ressaltam [para explicar por que somos como somos] "nossas supostas vicissitudes como o clima tropical, a mistura de raças, a origem portuguesa, a tradição católica, a pobreza e a ignorância de nossos ancestrais e, até, uma imaginária juvenilidade do Brasil [o país é um continente, temos 200 milhões de habitantes etc.

Todas, no entanto, "são explicações que justificam nosso atraso cumprindo o feio papel de encobrir suas causas verdadeiras; falsas explicações que aí estão desinformando o grosso dos brasileiros (...); mas 'penetrando no nevoeiro das aparências', Manoel Bomfim desmascara o 'parasitismo europeu' como a causa real e efetiva das nossas desgraças (...); aqui se implantou a economia especulativa, tão prodigiosamente lucrativa para os senhores como desgastante e mortal para a força de trabalho nela engajada".

Foi por meio dessa economia, "insensata para nós, mas racionalíssima para nossos exploradores, que nós, latino-americanos, multiplicamos, várias vezes, o montante de matais preciosos existente no mundo. Através dela, ainda, enriquecemos secularmente as metrópoles, exportando gêneros. Tudo isso produzido com o desgaste de milhões de escravos, caçados aqui ou na África por senhores brancos, cristãos e civilizados. 'Algumas centenas de escravos e um chicote', diz Manoel Bomfim, foi a fórmula europeia de enriquecer, no cumprimento do seu alto estilo civilizatório".

O Tiririca (carnaval) e a política espoliativa brasileira (tragédia) tem tudo a ver não só com o Big Bang de bilhões de anos atrás, senão também (e, sobretudo) com a cultura ibérica aqui implantada de forma imoral e aética. A literatura europeia é cega para o fato capital de que "o papel real do homem branco foi o de dizimador genocida de povos, apodrecidos em seus corpos pelas pestes e pragas trazidas pelos europeus. Foi o de queimar milhões de homens no trabalho escravo, como um carvão humano, para produzirem o que não consumiam. Foi o de aliená-los em suas almas, pela perda de suas culturas, sem acesso à cultura dos colonizadores" (Darcy Ribeiro, cit.). Toda essa herança maldita, extrativista e genocida, impregnou a alma das elites que dominaram o Brasil até aqui, que se caracterizam (feitas as ressalvas devidas) pela expropriação, corrupção e violência. As grandes responsáveis pelo nosso atraso, portanto, são essas elites, não o povo que (do alto da sua impotência e ignorância < por falta de escolaridade) está sempre à sua mercê.

*Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil (www.institutoavantebrasil.com.br)