Páginas

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

HOJE É DIA DE PEITAR O CATÃO

O vereador desnecessário Jofre Neto (PSB), aqui chamado jocosamente de Catão da Vila São Geraldo, abriu inquérito na Delegacia Seccional de Polícia contra este blogueiro.

Diante da inócua acusação apresentada à autoridade policial, meu primeiro ato nesta manhã de quarta-feira (10) foi revisitar o arquivo que tenho sobre as peripécias da vida pública do vereador.

Recolhi algumas pérolas, mas não todas, para mostrar à polícia o caráter belicoso de Joffre Neto contra jornalistas (veja aqui) que o criticam, por mais leve que ela seja.

O Catão da Vila São Geraldo, demonstrarei esta tarde na Delegacia Seccional de Polícia, é um finório, escroque, embusteiro, rancoroso, vil e, pior, traidor de quem sempre o acompanhou e o apoiou, inclusive quando estava desempregado.

Seus mais fiéis seguidores o abandonaram. Não suportaram sua arrogância. Não se submeteram à sua megalomania.

Em raro momento de glória. Catão da Vila São Geraldo sorri cinicamente
O Catão da Vila São Geraldo recorre á Polícia para me calar, mas não me calará porque tenho convicção das minhas afirmações e das informações que publiquei a seu respeito.

Li dois ou três depoimentos das testemunhas chamadas por Joffre Neto para me “acusar”. Acusar de quê? Pausa para uma gargalhada... quá quá quá quá...

Joffre Neto, quero  que este inquérito seja transformado em processo, para ouvir você repetir na frente do juiz o que disse a meu respeito, que saí da polícia “em circunstâncias a serem esclarecidas”. Quero saber que circunstâncias são estas.

Aproveitarei seu boletim de ocorrência mim para pedir explicações sobre sua contratação fraudulenta pela Câmara Municipal de São Luiz do Paraitinga e o processo que você responde em Taubaté por improbidade administrativa na Vara da Fazenda Pública de Taubaté

São fatos reais, que tiram seu sono e jogam ao chão sua máscara provecta de sabichão. Joffre Neto não resiste à menor crítica. Foi assim com um repórter da TV Setorial, que mandou à PQP após gravar uma entrevista.

Foi assim com o vereador Bilili de Angelis, a aquém chamou de “cachorro” em uma sessão da Câmara Municipal de Taubaté. São tantas as fragilidades do Catão da Vila São Geraldo, que daria para escrever uma postagem com dez laudas sem esgotar o assunto.

Para encurtar a conversa, como dizia meu pai, reproduzo acórdão do Tribunal de Contas de São Paulo, que a\testa minha idoneidade. O Catão me acusou de ímprobo na televisão. Não fui à delegacia choramingar. Esperei o momento para responder.

Joffre Neto, você não me intimida com uma “acusaçãozinha” censória. Aqui, o acórdão do TC atestando minha idoneidade. Aproveite o tempo que lhe resta de mandato para escarafunchar minha vida. Quem sabe você “descobre” porque saí da Polícia. O desafio está lançado, Catão da Vila São Geraldo...