Páginas

sábado, 13 de setembro de 2014

RÁDIO NACIONAL COMPLETA 78 ANOS


O DIA NA HISTÓRIA

Sábado, 13 de setembro. Faltam 109 dias para o fim do ano. 8 para a chegada da primavera. Data da primeira decolagem de Santos Dumont em público, em Bagatelle, França (1906). Criação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (1966). Morte do Jornalista e ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, Austregésilo de Athayde (1993) e de Luiz Gushiken, militante petista e ex-ministro do Lula (2013).

Domingo, 14 de setembro. Dia do Frevo. Morte do músico cubano Pérez Prado (1989); do ex-governador de São Paulo, Roberto da Costa Abreu Sodré (1999).  

SEXTA-FEIRA, 12 DE SETEMBRO DE 2014




SENTADOS: DA ESQUERDA PARA A DIREITA - JOSÉ MESSIAS, ALEXANDRE CARDOSO - EX-DEPUTADO FEDERAL PELO PSB, ATUAL PREFEITO DE CAXIAS, JOSÉ CARLOS CATALDI, METON SOARES - PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS DE NAVEGAÇÃO E VICE DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES. OSMAR FRAZÃO - GERENTE; E DAYSE LUCIDI, RADIOATRIZ E APRESENTADORA. DE PÉ, JORNALISTAS (DENTRE ELES PAULO VIRGÍLIO PREARD), ASSESSORES E, RONALDO, CHEFE DO DPTO COMERCIAL DA RÁDIO.

SAUDADE DA QUE FOI A MAIOR EMISSORA DA AMÉRICA LATINA

A Rádio Nacional completou 78 anos nesta sexta-feira, 12 de setembro de 2014... E dizer que fiz parte dessa história. Primeiro como Ouvinte. A televisão engatinhava. A gente ouvia ao pé do Rádio as maravilhosas novelas de um radioteatro inigualável: “Jerônimo”, “O Anjo”, o “Direito de Nascer”...

No time havia as mais belas vozes: No jornalismo, Heron Domingues, Reinaldo Costa, Everton Correa,  Arlênio Lívio. Nos auditórios, César Ladeira, César de Alencar. No Rádioteatro o elengantíssimo   Roberto Faiçal entre outros grandes e saudosos nomes...

A tradição da audiência vinha de nossos Pais que ali ouviram narrativas dramáticas. Novelas da vida real como os combates da Segunda Guerra Mundial... "Com notícias da United Press Internacional, vem aí o Repórter Esso, testemunha ocular da história...". E o Brasil parava para ouvir o Heron que montou uma espécie de apartamento para dormir e acordar na Rádio... 

E foi na onda da Nacional que meus Pais partiam do choro ao riso, quando aquele primo muito rico (Paulo Gracindo) recebia a visita daquele primo muito pobre (Brandão Filho), no Edifício Balança Mas Não Cai.

O dia em que fui aceito na redação do Repórter Nacional, sucessor do Esso, aos 16 anos de idade, foi a grande realização da minha vida. A Rádio Nacional do Rio de Janeiro foi minha primeira namorada... Ali encontrei gente muito querida da velha geração: Ivan Lima Alves ( meu grande padrinho ), José de Anchieta Távora, Leoni Mesquita, Embaixador Souza Dantas, José Miziara, Roberto Castanha de Medeiros, Rubem Cunha, Fernando Milfont, Gilberto Milfont, o poeta Fred Pinheiro - Redatores de primeira linha, e, juntei-me à nova geração: Ricardo Boechat, o jurista Jorge Béja, Ernane Buaiz, Maurício Menezes... E dizer que, anos mais tarde, com Valter Lima em Brasília, Álvaro Bufará em São Paulo e Eduardo Mancszm na Nacional da Amazônia, protagonizaríamos o “Revista Brasil”, o maior informativo, na maior rede de rádio do país.

Hoje, aposentado, e, no varandão da saudade, curto a foto do estúdio principal da emissora, em que conduzíamos o debate, enviada recentemenmte por Amigos, dentre eles o Paulo Virgílio, que primeiro aparece de pé ao alto; Sandra Traverso e Geisa Herrera, saudosas produtoras. Aliás, repetindo a legenda, na foto, aparecem José Messias (o melhor jurado da TV - Programa Raul Gil ),  Alexandre Cardoso - ( ex-deputado federal pelo PSB, atual prefeito de Caxias ); JOSÉ CARLOS CATALDI –    mediador;      Meton Soares -   presidente da Federação Nacional das Empresas de Navegação e vice da Confederação Nacional de Transportes ); Osmar Frazão – ( Crítico musical - gerente ); e Dayse Lucidi ( atriz global,  radioatriz e apresentadora da Nacional ). De pé, jornalistas (dentre eles Paulo Virgilio Preard ( primeiro ), assessores e Ronaldo, chefe do dpto. comercial (último).

Bons Tempos. Cantaria o Roberto: Velhos tempos, belos dias...  

Falei e disse.