Páginas

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

AS GARRAS TUCANAS DE MARINA SILVA

W. Takafumi, jornalista*

O mundo de Marina é o mundo das trevas. É o mundo pré-descoberta do Brasil. É o mundo da Idade Média. Da inquisição. Da afirmação religiosa fundamentalista. Da providência divina. Do atraso político, econômico e religioso. Este é o mundo de Marina, que mistura religião com política, como se Deus a tivesse escolhido para dirigir o povo que Ele escolheu. Marina é embusteira.

O que Marina lhe oferece? A acreana não foi ungida por Deus. Marina foi ungida pelo Banco Itaú e pela Natura. Ela oferecerá aos brasileiros André Lara Rezende, que foi ministro de Fernando Collor e confiscou a suada poupança dos brasileiros no primeiro dia de governo do presunçoso ex-presidente.

Marina Silva oferecerá Armínio Fraga para dirigir o Banco Central independente do governo, mas dependente do Banco Itaú e do capital especulativo. Armínio Fraga entregou o Banco Central a Lula com juros Celic de 45%. Estes são os "homens" de Marina para conduzir a economia do Brasil. ou seriam os "homens" de Neca Setúbal?

As garras tucanas de Marina Silva são um  perigo institucional
 O último aceno de Marina Silva é levar Serra para um hipotético ministério, que não existirá porque ela não se elegerá. Serra foi um dos articuladores da "privataria tucana", tão bem descrita pelo jornalista Amauri Ribeiro em seu livro. Marina term uma vida política tortuosa: foi petista enquanto o partido atendia aos seus interesses políticos. Filiou-se ao PV e conseguiu ser indicada candidata a presidente da República em 2010.

Não conseguiu montar seu próprio partido, o Rede Sustentabilidade, por pura incompetência política. Até o Paulinho da Força Sindical montou o seu, o SDD, ou seja, é mais articulado politicamente que Marina Silva, que não obteve as 500 mil assinaturas necessárias para registrar o partido no TSE.

As posições político-religiosas de Marina Silva estão a chamar a \atenção de pensadores e líderes religiosos como Frei Leonardo Boff e do bispo de Jales, no interior de São Paulo, dom Demétrio Valentim. Ao primeiro grito de Silas Malafaia, pastor messiânico da extrema direita religiosa, que usa seu programa de TV para vender livros, DVDs e outras bugigangas de sua igreja para os incautos. que creem no reconhecimento divino se apoiarem, com dinheiro, este embuste religioso.

O eleitor brasileiro deve saber que Marina Silva não conseguirá governar, se chegar a ser eleita. Foi assim com Jânio Quadros em 1961, obrigado a renunciar apenas sete meses após sua posse por tentar governar o país sem o Congresso Nacional. Foi assim com Fernando Collor em 1992, cassado por se julgar acima dos partidos políticos.

Marina segue o mesma trilha. Marina é um risco institucional para a nossa incipiente democracia, duramente conquistada graças ao esforço de gente como Dilma Rousseff, que lutou, de arma em punho, pela redemocratização do país. Marina pulverizou a candidatura do tucano Aécio Neves, mas usa em seu programa de governo o neoliberalismo que favorede aos bancos mas prejudica a indústria, conforme o próprio Citi Bank, talvez a maior instituição financeira do mundo.

Se você quer sua poupança congelada novamente, a venda da Petrobras para a Chevron e o fim da exploração do petróleo no pré-sal pelo brasileiros, o Banco Itaú no comando da economia nacional, o pastor Silas malafaia num hipotético Ministério dos Costumes, para reabrir a Santa inquisição à brasileira e mandar para a fogueira a comunidade LGBT, por favor, vote Marina Silva e verás.

*Velhinho de Taubaté (velhinho_de_taubate@yahoo.com)