Páginas

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

RETA FINAL

Antonio Barbosa Filho, jornalista

NA SEMANA final da campanha eleitoral, a tendência é que as pesquisas de intenção de voto comecem a se aproximar da realidade. Se no início, meses antes do início do horário eleitoral no rádio e TV, os institutos podem arriscar certas manipulações, isso fica mais difícil quando a hora das urnas vai chegando, pois o risco é maior para a credibilidade dessas empresas que hoje têm tanta influência sobre o processo eleitoral.

Nada impede que se cometam erros gritantes, como aconteceu no primeiro turno. Mas espera-se que os institutos serão mais cuidadosos. No primeiro turno, diante das falhas grosseiras cometidas em vários Estados, tanto o Datafolha como o Ibope declararam que as pesquisas não preveem o resultado, mas constatam o que aconteceu até o momento em que foram realizadas; ou seja, tratam do passado e não do futuro. Mas, como um contingente de eleitores gosta de votar "em quem vai ganhar" (uma ideias politicamente atrasada), os números publicados nos últimos dias podem influir na decisão de muitos.

A segunda-feira começou com a divulgação, logo pela manhã, da pesquisa patrocinada pela Confederação Nacional dos Transportes. Ela dá, pela primeira vez, pequena vantagem numérica para Dilma Rousseff, com 50,5%, contra Aécio Neves, com 49,5%. A diferença está dentro da "margem de erro" de 2,2 pontos para mais ou para menos. A rejeição é maior para Aécio (eleitores que não votariam nele de jeito nenhum) do que para Dilma, também por pequena diferença.

Já o Datafolha, na mesma segunda-feira, apontou vantagem numérica para Dilma Rousseff, com 46% das intenções de voto, contra 43% para Aécio. Excluídos os brancos, nulos e indecisos, ou seja, apenas com os votos válidos (que é o resultado que o TSE utiliza na eleição) Dilma venceria por 52% a 48%.

Um "tracking" do PSDB (pesquisa feita por telefone, para uso interno do partido - o PT também faz o mesmo trabalho) foi revelado pelo jornalista Paulo Henrique Amorim. Segundo ele, Dilma parece com quatro pontos à frente de Aécio.

Nesta semana devem sair pelo menos nove pesquisas, registradas no Tribunal Superior Eleitoral pelos institutos Ibope, Datafolha, Vox Populi e Sensus. Aqueles dois pequenos "institutos" que apontaram vantagem de 14 e 17% para Aécio poucas horas depois do primeiro turno, revelaram-se duas fraudes, e estão sendo investigados pela Polícia Federal. Um deles pertence a um assessor do governador do Paraná, José Richa, do PSDB.

Para o eleitor é importante não votar de acordo com as pesquisas - elas podem ser fraudulentas, ou então estarem muito erradas. Cabe a cada eleitor informar-se sobre os dois candidatos, seus programas e currículos, e votar por sua própria consciência. 
Quanto menos influência sofrer da mídia e das pesquisas, melhor, já que ambos podem ser comprados por alguma campanha, ou terem outros interesses no resultado.

Manifestação reúne militantes do PT, PC do B e PSOL
Conforme noticiado nesta coluna, o PT e partidos de esquerda (PC do B, PSOL, setores do PMDB) reuniram-se no sábado para incrementar a campanha de Dilma Rousseff em Taubaté. os presentes não acreditam que seja possível reverter a expressiva vitória de Aécio na cidade, mas acham que podem diminuir a diferença, com maior porcentagem para Dilma.

Nesta semana intensifica-se o trabalho nos bairros, em busca de votos pela reeleição da Presidenta.

NOTA DA REDAÇÃO: nova rodada de pesquisa divulgada pelo Datafolha nesta quarta-feira (22) confirma o que o próprio instituto havia divulgado segunda-feira (21): Dilma lidera a corrida presidencial com 52% da preferência eleitoral contra 48% para o tucano. A diferença tende a se ampliar.