Páginas

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

A DIREITA VAI PRA CIMA

Silvio Prado, professor

(Reflexões a partir da brilhante palestra proferida em Taubaté pelo blogueiro e jornalista Altamiro Borges, do Blog do Miro)

A direita está vindo para cima dos movimentos populares.

Os escrotos, nojentos e racistas, carregados de ódio, querem varrer daqui tudo que lembre os direitos fundamentais garantidos pela Revolução Francesa.

A coisa é tão primária que não se trata mais de combater o socialismo e suas ideias emancipadoras. A coisa é mais grosseira. Trata-se de combater a inclusão no próprio capitalismo. Por isso, os direitosos devem estar amaldiçoando a princesa Isabel por ter assinado a Lei Áurea e legalizar o que a população negra havia conquistado na luta pela libertação. Enfim, a princesa isabel virou também bolivariana.

Atento à palestra, Silvio Prado capta a essência do discurso de Miro
Devem amaldiçoar os militares por terem enfiado o rabo entre as pernas e deixado o poder no começo da década de oitenta. Devem amaldiçoar todos os torturadores que não conseguiram exterminar na totalidade os que se opuseram à ditadura durante 21 sangrentos anos.

Babando ódio, ela aparece em toda parte. Ela surge pelas bobagens do coxinha idiota que se acha inteligente porque toda semana se atira dentro do vaso sanitário junto com a Veja.

Ela não mede palavras e nem imagens na panfletagem do Jornal Nacional, que violenta a realidade e a história com trucagens e mentiras grosseiras. Nos jornalões como a Folha e o Estadão ela se traveste de opiniões supostamente sensatas. A Jovem Pan, com seus locutores de velório, faz o seu show/horror diário chegar a quase 20 milhões de vitimas da estupidez radiofônica.

Como um pitbull a quem foi negado comida por semanas, a direita traz os dentes afiados e o estômago faminto. Porém, seu poder de devorar é menor do que sua fome. O pitbull,ou seja, a direita, sabe que fora dos Jardins e condomínios seletos o osso é mais duro para ser roído. Bem mais duro.

Sobra vontade, mas ela não tem dentes para tanto, pois não basta o terror midiático para alcançar seus objetivos escrotos. É preciso que o povo diga sim, amém, aceite ter de volta pés e mãos sob correntes, voz calada e diversidade suprimida. Portanto, o ódio da direita vem exatamente da consciência que o povo adquiriu de que ela, há muito tempo não tem mais nada a oferecer, a não ser as correntes que antes aprisionavam.

A direita pode babar à vontade. Pode mostrar seus belos dentes brancos. E mesmo que não os mostre, eles serão devidamente quebrados.