Páginas

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

VELHINHO ANTICOMUNISTA

Silvio Prado, professor

O velhinho detesta comunista e seu ódio é tanto que nem a cor vermelha ele suporta. Dizem que depois de completados vinte anos ele jamais usou camisas, meias ou cuecas que fossem vermelhas. Querem estragar seu apetite, falem então qualquer coisa que lembre União Soviética, Cuba, China, Fidel ou direitos humanos.

Para ele, Guevara foi o mais frio dos assassinos que ensanguentaram a história. Trotsky, com aquele cavanhaque e bigodinho e o palavrório revolucionário internacionalista era um energúmeno de marca maior. Se houve um comunista bom, esse foi o tal de Stalin, que passou a perna em todo mundo, sucedeu Lênin e tirou a revolução russa de seu curso natural tornando-a revolução num só pais, e não internacional, como queriam muitas correntes revolucionárias.

Além do mais, Stalin, segundo o rancoroso taubateano, fez o belo serviço de exterminar com milhares de anarquistas e socialistas que discordaram de seu projeto pessoal, inclusive mandando matar com certeiras machadadas o energúmeno do Trotsky, refugiado no México, que pouco antes da morte já tinha dado um pega numa vadia chamada Frida Kahlo, revolucionaria e artista chinfrim, disse o velhinho.

Mas para velhinho tão besta, atrasado e reacionário, até general nacionalista que defendeu a Petrobras não passa de comunista fardado, mesmo que nos tempos da ditadura esse milico tivesse pessoalmente comandado torturas e desaparecimentos de militantes da esquerda. O velhinho não tem jeito e talvez nem tenha mais neurônios. Na verdade não passa de um coxinha que, não tendo cérebro, conforme os padrões normais de todo coxinha, milagrosamente conseguiu passar dos setenta.

Agora, depois de um contundente pronunciamento do papa Francisco, o velhinho anticomunista tem vivido dias confusos e desacertados. Francisco, que antes poderia ser o nome que destroçaria a articulação neocomunista na América Latina, fazendo o estrago que João Paulo II fez no comunismo soviético e na Polônia, agora o deixou decepcionado.

O papa atual, só o velhinho anticomunista viu, é um papa de esquerda, talvez pior que João XXIII, aquele do Concilio Vaticano II, que escancarou as portas da igreja e incendiou a América Latina com comunidades eclesiais de base, igreja dos pobres, missa em língua nativa, revelando nomes como Pedro Casaldaliga, Freis Beto e Boff , criando uma igreja popular decisiva na criação do PT e, depois, no bem organizado movimento dos sem terra.

Essa espécie de patrono dos coxinhas taubateanos anda tão desesperado com os últimos pronunciamentos do papa que já pediu a um dos netos que o leve a São Luiz do Paraitinga para pedir conselhos e orientações para o padre Tequinho.

E pretende fazer isso o mais rápido possível, pois sua decepção com o papa Francisco é tão grande que outro dia ele chegou a sentir alguma simpatia pelo neopentecostal Silas Malafaia, pastor que baba ódio e estufa os bolsos num programa da Band.

Enfim, o velhinho anticomunista deve estar pirando e blasfema a cada meia hora xingando Francisco de traidor e comunista. Até de petralha ele já chamou o humilde papa.

Enfim, tudo muito idêntico ao furor que uma gente que frequenta o facebook mostra diante de ideias mais ou menos liberais e humanizadoras.

Para essa gente, tais ideias inevitavelmente, além da foice e do martelo, trazem embutidas o vermelhão da bandeira comunista e podem botar fogo em seu mundinho sossegado. O que essa gente tem no cérebro? Não se sabe. Talvez sobra de pipoca amanhecida ou...