Páginas

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

GOVERNO NÃO ATENDE A SINDICALISTAS


José Carlos Cataldi, jornalista e advogado

O governo vai manter as duas Medidas Provisórias que alteram regras para concessão de benefícios como abono salarial, seguro-desemprego, pensão por morte e auxílio-doença, apesar dos apelos de sindicalistas.

Na reunião com representantes de centrais sindicais nesta segunda-feira, em São Paulo, sindicalistas pediam a anulação das recentes medidas provisórias, por conta das perdas financeiras aos trabalhadores.

Os sindicalistas alegam que não foram chamados para discutir as mudanças. Ficaram contrariados com a forma como a presidente Dilma Rousseff conduziu as alterações nas regras, ao contrário das promessas de campanha, quanto a estreitar o diálogo com os representantes dos trabalhadores.

Mas o governo alega que as mudanças são indispensáveis à sustentabilidade do sistema: manutenção dos benefícios sem comprometer a política de valorização do salário mínimo, e economia de quase 18 bilhões de reais nas contas públicas.

No mesmo período, houve a formalização de 15 milhões e meio de pessoas no setor privado. O salário mínimo aumentou 73 por cento. A sobrevida do brasileiro aumentou 4 anos e meio... Mudanças que apontam para a necessidade de mudanças para sustentar os programas sociais.

Penso que inclusive os “bolsas”.

Conclusão? É o prejuízo dividido por quem sempre paga a conta: a classe trabalhadora.

Falei e disse!