Páginas

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

MALDITO PT

Silvio Prado, professor

Que bom que o PT tenha inventado a corrupção, inclusive na Petrobras. Que maravilha saber que esse partido não só inventou a corrupção mas construiu meios legais e institucionais de investiga-la. Agora, em razão dessa estúpida contribuição petista temos a imprensa o dia inteiro tocando no assunto Petrobras e empreiteiras, empresários corruptos e políticos compráveis.

Felizmente o Brasil é um pais onde apenas um setor da população tem o péssimo costume de produzir corrupção, setor esse vindo das classes populares, repleto de lideres sindicais, ex lutadores contrários à ditadura, todos eles com estrelinha vermelha pregada no peito. Portanto, maldito PT que só depois de quinhentos anos de história incluiu a tristeza da corrupção entre nós.

Antes dele, tivemos, por exemplo, Brasília construída sem nenhum centavo das empreiteiras indo para o bolso de qualquer membro da classe política. Mais tarde, Sarney nada precisou doar em troco dos votos que lhe deram cinco anos de mandato. Jânio, o das forças ocultas, tão pura como a língua que falava era a sua relação com gente de poderosas multinacionais.

Mesmo os truculentos ditadores militares que construíram a desaparecida Transamazônica, ponte Rio-Niterói (que se chama Costa e Silva), usina nuclear de Angra e fizeram mil estádios de futebol nada morderam nem desviaram dos cofres públicos, apesar dos cem bilhões de dólares de dívida externa que deixaram. Eles foram tão zelosos com o dinheiro público que deixaram o poder com a mesma farda com que entraram, todas rotas e desgastadas, algumas até com remendos na bunda.

Para completar o quadro de pureza explicita, veio a era tucana, precedida por Collor, espécie de homem de bem (e de muitos bens) acompanhado e assessorado por gente nobre como PC Farias e só deixou o poder porque, sem jamais tocar em qualquer moedinha do tesouro, desagradou os evangélicos que o apoiaram fazendo cultos de magia negra na Casa da Dinda e em salas do palácio governamental.

Mas pureza mesmo, daquelas mais puras que mil barris de água sanitária, esta o Brasil só conheceu na era tucana. Que coisa boa ler e pesquisar o item corrupção nos anos FHC porque nessa era não se acha nada sobre o assunto. Que coisa imaculada não daria um livro contendo biografias de santificadas pessoas como FHC, Zé Serra, o balofo Sergio Mota, Alckmin e outros que o Vaticano canonizaria depois de processos que não durariam uma semana. Nada de caixa dois, desvios de verbas, propinas, contas em paraíso fiscal. Corrupção zero!

FHC foi tão imaculado que conseguiu a proeza de vender a estrutura montada por Getúlio Vargas por preços absurdamente bons para os brasileiros. Exemplarmente, ele e sua gente não embolsaram nem centavos dos poderosíssimos grupos internacionais que vieram nos saquear. FHC e companhia deixaram o poder com as mãos limpas, bolsos vazios e nenhum engavetamento de denúncias.

No entanto, jornalistas sem escrúpulos, incapacitados para a profissão, como Aloisio Biondi, deram de escrever obras de ficção recheadas de histórias que envergonhariam gente igualmente pura como os 40 ladrões do Ali Baba, Al Capone, Pablo Escobar e os meliantes do Cartel de Medelim.

Com essa ficção barata, quase que se consegue manchar a reputação do brilhante sociólogo. Folhetins como o tal Privataria Tucana ou o O Príncipe da Privataria dariam boas novelas globais, tamanhas são as mentiras e a pobreza do conteúdo envolvendo o sábio tucano que, nas horas de folga em que pede a liberação da maconha, acusa Dilma Rousseff de ter afanado um pacotinho de fubá na mercearia da esquina.

Enfim, depois do quadro angelical de governos anteriores, aparece o PT com suas malas de dinheiro, cuecas recheadas de dólares, Petrobras sendo garroteadas por gente insana. Ora, nunca se viu isso em quinhentos anos de história. Mas ainda bem que a própria história providenciou um negro de alma branca para colocar os petralheiros no seu devido lugar. Ainda bem que temos as mãos limpas (limpíssimas) de Gilmar Mendes assinando dúzias de habeas corpus liberando do xilindró banqueiros injustiçados e colocando sua bunda gorda sobre um projeto espúrio, que aprofundando a corrupção e pede o financiamento público das campanhas políticas.

Por outro lado, dá orgulho ver uma Policia Federal com seu departamento de vazamentos seletivos num trabalho perfeito com a Veja e a corretíssima Globo. Tenho certeza que com o trabalho dessa gente em pouco tempo o Brasil vai dar certo. É por tudo isso que estou animado com o possível impeachment de Dilma e a ideia imperdível de ter Carlinhos Cachoeira de imediato colocado na presidência da república.