Páginas

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

MANIFESTO EM FAVOR DA DEMOCRACIA

José Carlos dos Santos Pinto, psicólogo*

Sou filiado ao Partido dos Trabalhadores desde 1982. Como psicólogo e profissional da área de saúde, venho exercendo cargos comissionados em vários setores da saúde e da assistência social, em administrações estaduais e municipais de diversos partidos políticos. Também atuo como professor universitário e busco oferecer aos alunos uma visão bastante abrangente do que seja participação social e políticas públicas.

Durante os últimos 30 anos participo de pesquisas, debates e iniciativas que levam ao aprimoramento da gestão pública. Nesta jornada caminhei ao lado de um grande número de pessoas com forte postura ética e respeito pelo dinheiro público. Muitos deles fazendo parte dos 1.549.200 filiados ao Partido dos Trabalhadores.

Ser reconhecido como um filiado do Partido dos Trabalhadores é para mim motivo de orgulho. Minha geração conquistou a participação política na luta contra a ditadura militar, em uma frente que uniu a militância de muitos partidos. Após a redemocratização as conquistas foram muitas, como a implantação do Sistema Único de Saúde (SUS), o Estatuto do Idoso, os programas de erradicação da miséria, o acesso à casa própria, uma assistência social com foco nos direitos humanos, educação em tempo integral e muitas outras demandas urgentes da sociedade brasileira.

Não há nenhuma lógica em se acreditar que mais de um milhão e meio de pessoas que militam e trabalham por um modelo de gestão pública com foco social sejam, todas, desonestas e corruptas.

Não carrego a ingenuidade de acreditar que tudo o que se diz de alguns integrantes do Partido dos Trabalhadores seja mentira. No entanto, a generalização da pecha de “corrupto” para todos os militantes petistas e eleitores que acreditam nas bandeiras sociais do partido deve ser considerada um imenso bullyng ideológico.

Todas as pessoas que se serviram de cargos públicos ou em empresas públicas para praticar desvios de conduta ou conivência com corrupção devem ser devidamente processadas e punidas. No entanto, um projeto de governo capaz de atacar a desigualdade social, o mais importante dilema da humanidade, não pode ser desarticulado com base em uma miríade de acusações que envolvem não apenas pessoas ligadas ao partido, mas também empresários e políticos de diversas outras legendas.

O Brasil é um dos mais importantes países desse Planeta e precisa ser respeitado como tal por seus políticos e pela mídia em geral.

Há problemas, sim, como há em todos os países do mundo, em maior ou menor dimensão. Uma ruptura política com o desrespeito à ordem democrática não serve aos interesses dos brasileiros, mas sim a grupos que almejam o retorno do país a tempos sombrios, onde a disputa política se dava no cárcere.

Ao completar 35 anos, o Partido dos Trabalhadores deve reforçar junto à sociedade as transformações que promoveu no Brasil com suas políticas públicas. O Brasil que emergiu nos últimos 12 anos é motivo de orgulho para toda a sociedade. Militantes, simpatizantes e eleitores do Partido dos Trabalhadores não devem se esquivar da defesa de um modelo político e econômico que arrancou mais de 40 milhões de brasileiros da pobreza.

O Partido dos Trabalhadores é maior do que as pessoas que estão sujando seu nome!

*José Carlos dos Santos Pinto
Presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Pindamonhangaba