Páginas

sábado, 7 de março de 2015

DIÁLOGOS DO VELHINHO DE TAUBATÉ

Caros leitores(as)

Uma semana depois de escrever sobre meu pileque e a conversa que mantive com um motorista de táxi, tomo a liberdade de vos escrever novamente para contar dois diálogos que mantive esta semana, com um taxista e um motorista de van de passageiros da linha Pinda-Taubaté.

O diálogo com o motorista da van foi patético. Ele cortou a conversa que eu mantinha com uma cabeleireira estabelecida em frente à rodoviária velha:

“Tem que derrubar esse governo” disse, ao ouvir uma parte do diálogo com a cabeleireira.

“Por que tem que derrubar o governo”, atalhei.

Após alguns segundos veio a resposta: “É só roubalheira nesse governo. A inflação subindo e a gasolina cada vez mais cara. Os militares têm que voltar ao poder”.

Pasmo com tanta sandice reperguntei: “São estas as suas razões para derrubar um governo trabalhista?  Você parou para pensar na quantidade de benefícios que o povo teve nos últimos 15 anos?”

“Pelas contas da oposição, a corrupção no Brasil começou quando se instalou o governo Lula, em 2003”, afirmei.

“O senhor é petista”, acusou.

“Não sou petista. Só quero o bem do Brasil e dos brasileiros” respondi.

“Claro, o senhor deve ter vida boa...” interrompi meu interlocutor para dizer que sou aposentado e uso o serviço público de saúde e nem por isso quero ver o Brasil arrasado ou a derrubada do governo por um golpe civil ou militar.

Sem argumento, o motorista disse outra asneira: "Quando Cabral descobriu Brasil, deveria ter soltado uma bomba atômica aqui, explodido tudo. O Brasil é corrupto desde 22 de abril de 1500".

"Naquela época não existia bomba atômica", brinquei

"Eu apoio a volta dos militares ao poder". revelou.

"O senhor não sabe o que está dizendo. Em 1970 eu servia ao Exército e sei bem como era a vida na caserna naquela época", ponderei. "Talvez o senhor nem tivesse nascido em 1970", completei.

"Olha o preço da gasolina", insistiu. "Olha a roubalheira na Petrobras", disse, com ar triunfante.

"Pena que o senhor se informa pelo Jornal Nacional e fica repetindo o que ouviu ontem á noite como se fosse a verdade suprema", redargui.

"A gasolina em São Paulo é cara porque o governo do Estado cobra 25% de ICMS no preço de cada litro do combustível. O senhor sabia disso? não se deixe enganar pelas notícias que o senhor vê na televisão", expliquei.

Voltei par a cabeleireira e perguntei: " A senhora teria um salão como esse não fosse os 12 anos de governo trabalhista?".

"Não", respondeu de chofre.

Tornei a encarar meu interlocutor: "A situação econômica do Brasil não é das melhores, mas os pequenos negócios estão funcionando a todo vapor, os restaurantes populares estão sempre cheios e sua van está sempre lotada de passageiros."

Continuei meu monólogo: "Está ruim para os milionários, obrigados a dividir com o povo um naco daquilo que ganham com a especulação e as negociatas que fazem para ganhar cada vez mais".

Sem ter o que dizer, porque não tem argumento para debater política, pois repete como um papagaio o que vê no noticiário televisivo e se julga um "cara" informado, o motorista desistiu da conversa.

"Deixa eu voltar ao trabalho. Está na hora da minha corrida", e assumiu o volante da van.

Fiquei pensando com meus botões: "Se os militares (toc toc toc) voltarem ao poder, será que a Pássaro Marron vai permitir que as vans continuem transportando passageiros entre Pinda e Taubaté e roubando os seus?

Até outra hora, senhora e senhores e muito obrigado pelo espaço em seu blog, se é que o senho vai divulgar esta cartinha.

E-mail: velhinho_de_taubate@yahoo.com