Páginas

terça-feira, 24 de março de 2015

PROFESSORES, SAIBA QUEM VOS TRAIU,
TORNANDO SEUS SALÁRIOS DEFASADOS

A matéria reproduzida abaixo foi publicada pelo jornal Vale News (que não sei se ainda existe) em 29 de agosto de 2011.

Trata-se de release produzido pela assessoria de imprensa do ex-prefeito Roberto Peixoto publicado pelo jornal.

Leiam com atenção e entendam por que os salários dos professore estão defasados desde então.

O reajuste que a categoria reivindicava em 2011 girava em torno de 25%.

A “comissão” formada na porta da Prefeitura por professores que participavam da manifestação por reajuste salarial, entre eles Fabrício Peres, foi engabelada pelo espertíssimo Adair Loredo, à época Secretário de Governo de Peixoto.

Os professores taubateanos, que chegaram a ter um dos cinco melhores salários da categoria em todo o Brasil, na rede municipal de ensino, hoje comem “pão com mortadela”.

Prestem atenção na foto que ilustra a matéria:

À direita do então prefeito Roberto Peixoto aparece o vereador Jeferson Campos (PV), que havia se batido anos antes contra o estatuto do magistério do professor taubateano.

O mesmo Jeferson Campos que este ano “acompanhou” cerca de 50 professores em reunião na Câmara Municipal, no início desta campanha salarial, pra demonstrar um apreço que jamais teve pela categoria, embora também seja professor.

Veja quem aparece na foto aplaudindo a assinatura da redução salarial dos professores: Fabrício Peres, que cometeu o erro de negociar com raposas políticas provavelmente estimulado pelo vereador Jeferson Campos.

O erro cometido em 2011 é pago até hoje pela categoria, que voltou a ter um salário pífio. Cuidado, professores, na hora de negociar o reajuste salarial para não levarem outro tombo da Prefeitura.

Da esquerda para a direita: Henrique Nunes, Maria Tereza Paolicchi, Carlos Peixoto, Jeferson Campos,
Rodson Lima, Roberto Peixoto, Adair Loredo, professor Carlos Roberto Rodrigues, Fabrício Pedres e Chico Saad



Publicado: 29 Agosto 2011
Escrito por Redação

O prefeito de Taubaté, Roberto Peixoto, apresentou oficialmente na manhã da última quinta-feira (25), o projeto de lei que reajusta em 13% os salários dos professores da rede de ensino do município. O ato contou com as presenças de vereadores e de membros da comissão de professores, que negociou o índice com a administração municipal.

De acordo com o projeto, que será analisado e votado pela Câmara de Vereadores, o reajuste será pago em duas vezes, a primeira, de 8%, em setembro deste ano, e a segunda, de 5%, em março de 2012.

O piso salarial dos professores de Taubaté é apontado por especialistas como um dos maiores do Brasil e, atualmente, é de R$ 3.328,56 – para uma jornada de 40 horas aula.

Com o reajuste proposto pelo prefeito, o valor passará para R$ 3.594,24, em setembro próximo, saltando posteriormente para R$ 3.773,52, em março de 2012.

O piso é unificado e será pago para os professores de Educação infantil (PEI), de 1º ao 5º anos (P1) e de 6º ao 9º anos (P3). A rede municipal de ensino de Taubaté conta com cerca de 1670 professores.

“Este é um momento especial”, afirmou Peixoto, destacando que o reajuste é “um reconhecimento pelo importante trabalho realizado pela classe dos professores”.

Dados levantados pela Secretaria de Educação de Taubaté comprovam que o salário dos professores de Taubaté está bem acima da média nacional.

De acordo com o artigo 5º da lei federal 11.738, o piso nacional do magistério para 2011 é de R$ 1.187,97 (para uma jornada de 40 horas aula semanais).

Já a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação – CNTE, não concorda com o piso do MEC e propõe um piso de R$ 1.597,87.

Logo após o anúncio do reajuste, Peixoto assinou a mensagem de encaminhamento do projeto e o entregou diretamente ao vereador Jeferson Campos, presidente da Câmara de Vereadores, também presente no evento.

O presidente do Legislativo afirmou que o reajuste proposto por Peixoto é resultado “de um importante avanço”. “Pela primeira vez se abriu um canal de conversação entre os professores e a Prefeitura”, completou Campos.

Representando a comissão de professores, Fabrício José Peres também destacou a importância da “abertura de um canal de negociação”. “Tivemos a abertura necessária para dialogar e, durante a negociação, sempre fomos respeitados pela administração municipal”, afirmou.

Ainda estiveram presentes ao anúncio os vereadores Chico Saad, Luizinho da Farmácia, Carlos Peixoto, Henrique Nunes, Rodson Lima e Maria Teresa Paolicchi, além do suplente de vereador Bilili de Angelis. Os vereadores Alexandre Vilela e Ary Kara José Filho foram representados por assessores.