Páginas

sexta-feira, 10 de abril de 2015

CONTRA ORTIZ JUNIOR, PROFESSORES
TOMARÃO O CENTRO DE TAUBATÉ

Silvio Prado, professor

Professores e funcionários públicos municipais de Taubaté têm manifestação marcada para amanhã, sábado, dia 11, a partir das 9 horas na Praça do Epaminondas. Depois de duas manifestações seguidas na porta da prefeitura, professores e funcionários decidiram envolver a população na sua luta por melhores salários e melhores condições de trabalho.

A manifestação se dá exatamente num dos piores momentos da administração Ortiz Junior, marcada nos últimos dias por graves transtornos ocorridos devido a mudanças no trânsito das ruas centrais da cidade, e também por acusações em que se suspeita o uso indevido de verbas do FUNDEB pela prefeitura.

Na verdade, desde o primeiro dia a administração Ortiz Junior passa pelo desgaste proveniente de um processo que colocou seu mandato por um fio. Para muita gente, ele já não deveria estar no comando da prefeitura. Só mesmo o esforço muito forte de advogados extremamente habilidosos e bem pagos impediu que Taubaté nessa altura do campeonato tivesse outro prefeito.

Especificamente falando dos professores, suas reivindicações vão muito além do salário, passando pela questão das péssimas condições de trabalho, assédio moral, decretos punitivos que ferem seus direitos, adoção imediata da jornada do piso e tantas outras coisas que desestimulam o professor e interferem diretamente na qualidade da educação.

É uma pena que Taubaté não se diferencie em nada de muitos outros municípios brasileiros que tratam a educação como coisa secundária e o professor como profissional descartável. Pela gravidade dos problemas sociais do município, a educação e o professor deveriam ter tratamento profissional respeitoso, coisa impossível numa administração onde a falta de transparência e a mão de ferro do prefeito e de sua secretária de ensino perseguem lideranças do magistério e, ao invés do dialogo, se orienta por uma política que aterroriza o funcionalismo e o professor.

Por tudo isso, o ato de amanhã, sábado, na Dom Epaminondas tem uma grande importância na luta que se trava em Taubaté contra um governo divorciado dos interesses populares, inclusive da educação. Como no sábado o centro da cidade geralmente é tomado por milhares de pessoas, não há duvida que a repercussão da insatisfação e denúncias dos professores vai atingir muita gente, essa mesma gente que também já não suporta mais ver Taubaté caminhando na contramão e, inutilmente, exige que o prefeito cumpra pelo menos parte das promessas que fez durante a campanha.

Felizmente, a população está se organizado e percebendo que sem pressão não tem mudanças. Também abandonada pela câmara municipal, ao povo só resta o recurso das ruas para botar um freio e colocar a cidade no seu devido lugar. E sábado, acredito, seja o primeiro grande passo a ser dado na direção desse objetivo.