Páginas

domingo, 26 de abril de 2015

O LOBISTA E O FANFARRÃO

Ricardo Paulo Moreira, militante

Extraído da página do grupo Nossa Taubaté (Blog do Irani), no Facebook

Não foi o reino da fantasia que sustentamos que inventou a corrupção. O reino,  o reizinho e parte dos lordes apenas aperfeiçoaram a prática. O fanfarrão das alterosas estava num magnífico jantar de 400 talheres promovido por um conhecido lobista da capital de todos os reinos. No meio da festa, na pérgula da enorme piscina, escutou na mesa ao lado um dos convidados já quatro ou cinco uísques acima do nível do rio Paraitinga em época de enchente, perguntar para o dono da enorme e fantástica mansão:

- Que ninguém nos ouça, mas como é que você conseguiu tudo isso? Até heliporto você tem aqui...

- Cá pra nós - sussurrou o lobista milionário - você sabe o que é imobilidade urbana? Sim, claro. Está esta quase pronto o projeto...

- Pois é, o orçamento é de R$ 400 milhões.

 Razoável...

- Mas, a obra vai custar mesmo R$ 100 milhões...

O silêncio que se seguiu era apenas a comprovação de que já tinham começado a falar a mesma língua. O dono da mansão quis também saber um pouco da vida do conviva, um fanfarrão metido a milionário, querendo nadar nos oceanos das licitações grandiosas.

- E você, como é que conseguiu um patrimônio que tem pelo menos 14, 15 mansões iguais a esta e vários condomínios residenciais sempre nos melhores pontos do reino?

- É simples. Venha comigo até o mezanino...

Foram. De lá, à beira de seus uísques, vislumbraram o reino por inteiro. Uma vista deslumbrante...

- Você está vendo aquelas estradas novas, ruas asfaltadas, desapropriações de áreas permanentes que vão deixar muito dono de novas terras de sorriso de orelha a orelha?
- Não.

- Pois bem , esta presepada toda foi aprovada por mim, mereço ou não mereço ser feliz com o dinheiro dos trouxas, nada mais disse nem lhe foi perguntado.