Páginas

quarta-feira, 27 de maio de 2015

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL JÁ!

Silvio Prado, professor

Sou a favor da diminuição da maioridade penal porque acho que toda criança deve ser punida, primeiro pelo fato de ser essa coisa chata chamada criança, sempre cobrando coisas aos berros ou no choro, e provando que precisa ser bem cuidada, bem tratada, alimentada, acariciada, atendida por um pai ou mãe carinhosos ou quem quer que seja, e isso dá trabalho, toma o tempo dos adultos, desvia a atenção produtiva da sociedade e tira um dinheirão dos cofres do Estado.

Portanto, a diminuição da maioridade penal é justíssima e toda criança deveria ser punida desde os sete anos de idade por qualquer ato errado que fez ou supostamente fez, trabalhando em carvoarias, balcão de padaria, entregando coisas de porta em porta, prestando serviço de segurança em boca de fumo ou biqueira.

Não devemos dar moleza pra criança alguma, pois como disse Machado de Assis, “a criança de hoje é o homem de amanhã”. Então, ferro nela, pois o homem de amanhã precisa ser duramente espartano, trabalhador, honesto, competitivo e um tarado incorrigível pelas coisas do mercado e adjacências.

Se fosse possível, toda criança já deveria trabalhar na barriga da mãe e, caso durante a gravidez de sua infeliz progenitora ficasse disparando algum chute aqui ou ali, deveria já - como castigo - ser cutucada com alguns daqueles instrumentos usados para fazer aborto em clínicas de fundo de quintal.

Se gasta muito com criança, mesmo que alguns milhões desses seres inoportunos nem tenham casa e vivam na rua, sejam expulsos da escola antes da primeira lição, nunca tenham recebido regularmente dois pratos de comida por dia, e volta e meia recebam da polícia, ao invés de balas de borracha, balas de chumbo mesmo.

Não se pode gastar tanto com crianças uma vez que o futuro delas é incerto. Quem garante que elas chegarão aos cem anos de idade? Ninguém. Quem garante que, depois de crescidas, elas não serão gente que se desviou do destino traçado se tornando pessoas inconvenientes como bons jornalistas, professores atenciosos, pais carinhosos e compreensivos, médicos sem nenhum sinal de idiotia e policiais que sonham fazer segurança pública sem usar armas de destruição em massa?

Por tudo isso, sou a favor da diminuição da maioridade penal e refaço aqui meus cálculos e justificativas que antes me fizeram acreditar que aos sete anos uma criança deve ser punida pelo crime que cometeu ou que alguém cometeu e a responsabilizou. Acho que o bicho devia pegar mesmo é a partir dos três anos de idade. Ou talvez antes. Ou já no momento da fecundação.

Uma coisa é certa: nada pode continuar do jeito que está com esse bando de crianças e jovens irresponsáveis tentando competir com os adultos nas artes da violência e todo tipo perturbação da ordem social.

Pior ainda: elas nos lembram a toda hora que um dia também fomos crianças e que, num momento decisivo da vida, para sermos os adultos neuroticamente bem sucedidos de hoje, tivemos que fazer uma coisa horrorosa: friamente, abandonamos a bela criança que fomos na beira de um lago, debaixo da pia de uma lanchonete qualquer ou numa bem decorada cesta de lixo repleta de boas intenções medonhas.