Páginas

terça-feira, 19 de maio de 2015

REFORMA POLÍTICA CORRE
CONTRA O TEMPO

José Carlos Cataldi, jornalista e advogado

Tenho minhas dúvidas se a reforma política será aprovada a tempo de valer para a eleição do ano que vem. Além do fim das coligações, há muitas polêmicas em jogo. O próprio relator se mostra indeciso em face de múltiplas propostas.

Depois de indicar, contrariado, o ‘distritão’, votação em que vence o mais sufragado para o Legislativo, Marcelo Castro, do PMDB do Piauí, modificou seu relatório para incluir a proposta de dar um mandato tampão de seis anos para vereadores e prefeitos eleitos em 2016, a fim de provocar a coincidência das eleições, a partir de 2022.

Todos os cargos eletivos do país seriam escolhidos numa única eleição a cada cinco anos, tempo de duração dos futuros mandatos, sem possibilidade de reeleição. Os senadores poderão ser a única exceção: já que há defesa de mandatos de dez anos.

Problema é a corrida contra o tempo. Para valer para a próxima eleição a reforma tem de estar aprovada até setembro.

Falei e disse!