Páginas

quarta-feira, 22 de julho de 2015

É PRECISO REAGIR, AGORA!

Silvio Prado, professor

“Os donos do poder não estão mais acima das leis. A transparência de uma sociedade aberta assusta mentes retrógradas que se habituaram à subserviência e à impunidade (...) Barbosa e Moro decretam o fim da impunidade para os donos do poder”.
O colunista do jornal O Globo que escreveu a besteira mostrada acima, finge que não sabe que entre os verdadeiros donos do poder no Brasil estão seus patrões, os irmãos Marinho, que se vivessem em um país civilizado já estariam na cadeia há muito tempo. Será que não deveriam estar mofando atrás das grades os proprietários de uma empresa que já foi mais de 700 vezes autuada pela Receita Federal?
Se o Brasil fosse um país onde as leis valessem para todos, o trio que comanda o império global de comunicações nem teria o poder que ostenta, pois onde impera um mínimo de democracia nenhuma rede tão poderosa de informação passaria décadas sugando dinheiro público e, ao mesmo tempo, mentindo, fabricando fatos e dados truculentos, orquestrando golpes contra a ordem constituída, além do apoio histórico dado ao regime militarizado que imperou no Brasil entre 1964e 1985.
Nesse momento em que se prepara um golpe contra o pouco de democracia que temos, a desinformação produzida pelos grandes meios de comunicação faz um jogo massacrante. Um bombardeio midiático, preocupado em criar enganos e inflar o ódio, é despejado diariamente sobre um povo que assiste tudo quase que bestializado e, infelizmente, repetindo em todo canto os bordões golpistas diariamente dejetados.
Quando um jornal das organizações Globo fala que “os donos do poder não estão mais acima das leis” ele está pregando mais uma mentira, que será engolida pelo povo que a tal Rede deseja eternamente conduzir como boiada.
Por outro lado, é assustador que nesse momento não se veja em todo o país uma reação articulada contra as investidas criminosas que a direita, através da mídia comandada pela Globo, setores do judiciário e da Polícia Federal, do PSDB e bancadas comprometidas com o retrocesso fazem descaradamente.
O PT, um partido completamente acovardado, parece passar o dia inteiro debaixo da cama – ou trêmulo sobre um vaso sanitário - e não se mostra capaz de uma reação digna de um partido originário das lutas operárias. Lula, a grande liderança popular da história do país, e o maior presidente que o povo elegeu, vive momentos de pleno abandono. Se depender do PT o ex-presidente será entregue às feras da direita e jogado num calabouço qualquer. Por isso, é preciso que outros setores comprometidos com avanços democráticos tenham um mínimo de noção da dramaticidade desse momento. É preciso, coletivamente, mostrar a cara e dizer que qualquer tentativa de golpe, com ou sem violência, será rechaçado pela força das ruas. O projeto internacional de recolonizar o Brasil, quebrar sua soberania e torná-lo em de finitivo um país de segunda linha é o objetivo principal dessa trama criminosa.
Não sei que avaliação faz o MST sobre esse momento, mas se depender de correntes que integram o Psol ou da totalidade do PSTU, por exemplo, parece que a prisão de Lula, a destruição do PT e o impeachment da presidente Dilma cairão como bênçãos para a sociedade brasileira. Iludida, parte da esquerda acredita que com o PT varrido das eleições ( ou apenas destruído moralmente) ela poderá ocupar tranquilamente o espaço deixado pelos petistas. Até parece que as pretensões da direita visam apenas Lula, Dilma e o PT. O golpe está sendo afiado para cortar a cabeça de todos os partidos de esquerda, entrando pelos agrupamentos sindicais, movimentos populares e chegando inclusive até as chamadas alas progressistas da Igreja Católica.
Enfim, o PT e inúmeros setores da esquerda estão se comportando do jeito que o diabo gosta e a direita tanto aprecia. Confusos ou acovardados, cedem a cada dia espaço para atrevidas manobras do inimigo. Portanto, depois do estrago feito não adiantará em nada avaliações críticas sobre a tragédia acontecida. Ou se reage agora, ou para muitos nem haverá o depois, porque os verdadeiros donos do poder sabem que estão jogando uma cartada decisiva e não podem brincar de ganhar o poder e nem deixar a decisão para 2018. Eles estão dispostos a cumprir o que prometeu o enfurecido banqueiro e então senador Jorge Bornhausen, em 2005 : “vamos nos livrar dessa raça por uns trinta anos”.